Segunda-Feira, 24 de Janeiro de 2022

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< SOROCABA Funcionários de unidade de Covid-19 estão sem receber

Publicada em 02/12/2021 às 21:18
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
(Foto: Divulgação)
SÃO GUILHERME 
 
Funcionários da Associação Brasileira de Educação e Saúde (Abrades), responsável pela gestão do Centro de Estabilização da Covid-19 no Pronto-Atendimento do São Guilherme, estiveram na Câmara Municipal, durante a sessão desta quinta-feira (2), para reivindicar o pagamento dos salários que estão sem receber. Com anuência do plenário, a funcionária Márcia de Jesus usou a tribuna para falar em nome dos funcionários. Segundo ela, a Prefeitura recebeu os colaboradores da empresa por várias vezes, a última da quais na segunda-feira (29), quando lhe foi dito que, por medida cautelar, seriam pagos pelo próprio Município em lugar da Abrades. 
 
“Mas isso não foi feito”, afirmou Márcia, cobrando concretização do pagamento dos salários atrasados. Ela relatou, ainda, as dificuldades enfrentadas pelos trabalhadores. “Temos famílias sendo despejadas, por falta de dinheiro para pagar aluguel. E temos cinco grávidas. Foram seis meses trabalhando e expondo nossas vidas e a vida dos nossos familiares. Nosso psicológico está muito abalado. Salvamos muitas vidas, mas vimos muitas mortes. Faríamos de novo, porque somos profissionais da saúde, mas precisamos dos nossos salários”, afirmou, pedindo o apoio dos vereadores. 
 
Por sua vez, o vereador João Donizeti Silvestre (PSDB), líder do governo na Casa, solidarizou-se com os funcionários, ressaltando a importância que tiveram no combate à doença, muitos com o sacrifício da própria vida, e se comprometeu a tratar do caso, juntamente com os demais vereadores, como Rodrigo do Treviso (PSL). Para o vereador, o prefeito Rodrigo Manga é sensível à causa, como foi com o caso das merendeiras, que passaram por situação semelhante. Já a vereadora Fernanda Garcia (PSOL) criticou a terceirização dos serviços públicos de saúde, citando outros casos de funcionários de empresas terceirizadas que ficaram sem receber.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar