Quinta-Feira, 2 de Dezembro de 2021

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< SOROCABA Projeto sugere nova rodoviária na zona oeste Terminal ficará em aérea no km 106 da Rodovia Raposo Tavares

Publicada em 17/11/2021 às 22:32
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
(Foto: Divulgação)
O novo projeto básico para instalação da rodoviária da cidade sugere uma área pública, próximo ao quilômetro 106 da Rodovia Raposo Tavares, nas proximidades da Arena Sorocaba e do Hospital Regional, na zona oeste. Os detalhes foram apresentados nesta quarta-feira (17) pelo prefeito Rodrigo Manga, em coletiva de imprensa. 
 
Inicialmente, a Secretaria de Mobilidade e Desenvolvimento Estratégicos havia feito um estudo técnico de três pontos ideais para o projeto, dos quais dois foram descartados. De acordo com a pasta, uma série de fatores determinou a escolha dessa área na zona oeste. 
 
Trata-se de área pública, sem a necessidade de gastos com desapropriações; possui acessos viários urbanos e rodoviários adequados; atendimento completo do transporte coletivo urbano e outros modais; a área possui histórico de baixo registro de acidentes de trânsito; inexistência de ocupação residencial nas proximidades; iluminação pública existente; e previsão de construção de avenida complementar e de novo acesso pela rodovia e passarela de pedestres.
 
Segundo Manga, os trâmites administrativos com relação à nova rodoviária estão sendo feitos com prioridade pela Prefeitura. “O sorocabano merece ter uma Rodoviária que atenda as suas necessidades. A atual tem cerca de 40 anos e está defasada. Os trâmites administrativos com relação à nova Rodoviária estão sendo realizados com prioridade pela Prefeitura, com o objetivo de oferecer à população sorocabana um serviço moderno, em linha com o que existe de mais avançado nesse segmento, com mais conforto, comodidade, eficiência e toda segurança”, destacou.
 
MODELO - A nova Rodoviária terá um modelo de espaço de convivência, composto por áreas urbanizadas, praças, centro de compras e serviços, equipado com total infraestrutura de acesso, como ônibus urbanos, táxis e motoristas por aplicativos. A área total destinada ao empreendimento é de 230 mil m², cuja previsão é de que entre 40 a 50 mil m² sejam ocupados por edificações.
 
O projeto prevê cinco pavimentos, um térreo, exclusivo para embarque e desembarque de passageiros e demais operações de ônibus que, inclusive, abrigará um miniterminal de transporte urbano. O primeiro andar será destinado para bilheterias, lojas e estacionamento coberto, o segundo também para lojas, terraço e estacionamento coberto, enquanto o terceiro para estacionamento coberto. E, ainda, a cobertura, que também poderá, se necessário, ser usada como estacionamento.
 
“Estamos pensando na cidade em médio e longo prazo. A nova rodoviária estaria a seis quilômetros da atual e teria 40 plataformas de embarque e desembarque. A atual tem oito de embarque, sendo que o desembarque ocorre, hoje, nos fundos, de maneira improvisada. O movimento na atual rodoviária, atualmente, é de, em média, 35 mil pessoas, número que deve passar de 50 mil no novo empreendimento, com a possibilidade de ampliações da oferta de viagens, inclusive para outros destinos necessários”, explicou o secretário de Mobilidade e Desenvolvimento Estratégicos, Carlos Eduardo Paschoini.
 
 
Consulta pública e prazos
 
Antes da definição final do local da nova rodoviária, a Urbes colocou um botão de acesso em seu site (www.urbes.com.br), em que a população pode opinar quanto à construção do empreendimento. A consulta permanecerá disponível até o dia 10 de dezembro.
 
“O diálogo com a população é uma das marcas deste governo e queremos saber a opinião de todos. Apesar disso, estamos convictos de que a escolha desse local para a nova rodoviária foi a mais acertada”, apontou o prefeito Rodrigo Manga.
 
Depois disso, uma vez aprovada definitivamente a área, a Administração Municipal dará sequência à viabilização da obra, como a realização de estudos complementares, elaboração do projeto executivo e licitação. A construção do empreendimento será realizada pela Prefeitura, em um prazo de dois anos, a um custo estimado de R$ 35 milhões, via financiamento internacional já aprovado pela Câmara Municipal.
 
A ideia é de que a nova rodoviária absorva os comerciantes que atuam na atual unidade em funcionamento, além de novos. O modelo de negócios, com todas as definições, será detalhado no projeto executivo. Depois de entrar em funcionamento, a administração da nova Rodoviária será feita pela iniciativa privada, em sistema de concessão.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar