Segunda-Feira, 29 de Novembro de 2021

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< BRASIL Aumenta emprego, mas cai rendimento médio, diz IBGE Trabalho com carteira assinada subiu 4,2%; sem carteira, 10,1%

Publicada em 27/10/2021 às 22:45
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
(Foto: Abr)
O número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado somou 31 milhões de pessoas no trimestre móvel encerrado em agosto, uma alta de 4,2% na comparação com o trimestre encerrado em maio e de 6,8% em relação ao mesmo trimestre de 2020. Já os empregados sem carteira assinada no setor privado ficaram em 10,8 milhões, uma alta de 10,1% no trimestre e de 23,3% no ano, as maiores variações da série histórica. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua Mensal, divulgados nesta quarta-feira (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 
 
A taxa de desocupação fechou o trimestre móvel encerrado em agosto em 13,2%, queda de 1,4% na comparação com o trimestre terminado em maio, ficando em 13,7 milhões de pessoas. De acordo com a analista da pesquisa, Adriana Beringuy, o nível de ocupação recuperou-se e passou de 50%, depois de chegar a 46,8% em agosto de 2020. Porém ela destaca que a base de comparação de um ano atrás estava muito baixa. “Os percentuais de variações nas comparações anuais estão bastante significativos, obviamente que pela recuperação em si do mercado de trabalho, que temos observado nos últimos meses”, disse. 
 
O número de empregadores foi de 3,8 milhões em agosto, estável nas duas comparações. Os empregados no setor público somaram 11,6 milhões de pessoas, incluindo estatutários e militares, uma queda de 3,1%. As trabalhadoras domésticas somam 5,5 milhões, um aumento de 9,9% em relação ao trimestre encerrado em maio e mais 21,2% na comparação com agosto de 2020. O número de trabalhadores por conta própria ficou em 25,4 milhões de pessoas, recorde da séria histórica, com altas de 4,3% no trimestre e de 18,1% na comparação anual. A taxa de informalidade foi de 41,1% da população ocupada no trimestre - 37,1 milhões de trabalhadores informais.
 
Adriana ressalta que, apesar da expansão das pessoas ocupadas, o rendimento real habitual caiu 4,3% na comparação trimestral e 10,2% na anual, ficando em R$ 2.489 em agosto, as maiores quedas percentuais da série histórica, reflexo do aumento da informalidade. “A gente tem um processo de crescimento significativo dos contingentes, então numericamente tem uma população ocupada que de fato avança bastante, mas por outro lado tem indicadores associados ao conjunto da força de trabalho que ainda apresentam um quantitativo que é desfavorável. A gente está operando com rendimento em queda.”
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar