Segunda-Feira, 24 de Janeiro de 2022

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< CULTURA ‘Era uma vez um Tirano’ é apresentado no sábado

Publicada em 21/10/2021 às 11:08
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
(Foto: Divulgação)
TEATRO 
 
Neste sábado (23) às 15 horas, o Sesi de Votorantim apresenta o espetáculo “Era uma vez um Tirano”. Celebrando a obra de Ana Maria Machado, uma das mais importantes autoras da literatura infanto-juvenil, "Era uma vez um tirano”, do Grupo Prole de Teatro, adapta para os palcos o livro homônimo da escritora. Este é o primeiro trabalho para o público infantil do grupo e traz direção de Bete Dorgam.
 
A peça conta a história de três crianças que, criativamente, conseguem acabar com a tirania que muda a vida dos habitantes e atrapalha a liberdade das pessoas, uma reflexão lúdica sobre política e cidadania. Utilizando da imaginação da plateia e da brincadeira proposta pelos atores, os personagens vão sendo criados em cena, com a trilha sonora ao vivo do compositor Alexandre Mello e a iluminação de Felipe Tchaça, que dão o tom dessa grande brincadeira entre artista e plateia.   
 
O livro de Ana Maria Machado foi lançado pela Editora Salamandra logo após a abertura política em 1982 e chegou a receber uma leitura dramática na Alemanha pela importante companhia do dramaturgo Bertold Brecht, o Berliner Ensemble, em 2002.  “As proibições do Tirano, lembradas no livro, estavam na memória recente de todos. E não vigoravam apenas no Brasil, mas em vários outros países vizinhos. Minha proposta para vencer a situação era simbólica, naturalmente. Mas tinha a ver com o caminho em que eu acreditava: uma festa feita com a união de toda a Nação, nas suas diferentes etnias e gerações, com os recursos da memória e da criatividade artística e com a pureza e coragem das crianças”, relata a autora Ana Maria Machado em texto publicado na segunda edição do livro.   
 
Ao encenar este texto, o Grupo Prole propõe refletir junto ao público sobre assuntos que tanto preocupam e permeiam discussões contemporâneas - democracia, acesso à arte, direitos do cidadão, liberdade de expressão e a importância do diálogo entre pessoas que tem ideias diferentes, entre outras.  Para contar esta história de assuntos tão adultos e que se refere a um período político da História tão complexo, a encenação joga com a imaginação das crianças e a brincadeira de atores que vão criando personagens e cenários.   
 
Neste jogo, o elenco se coloca ludicamente diante não apenas dos efeitos da tirania, mas também diante do desejo de ser o tirano. “Isso nos leva a pensar também sobre as pequenas tiranias e radicalismos que cometemos. E como somos individualmente responsáveis por, em nossas ações sociais, cuidar do espaço público e dos direitos democráticos. Não através do ódio, mas do diálogo e do respeito ao direito de pensar e ser diferente”, explica a produtora Fernanda Assef.   
 
O espetáculo estreou em outubro de 2018 no Centro Cultural São Paulo e ficou entre os pré-finalistas do segundo semestre do Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem, na categoria?Melhor Texto Adaptado.   
 
Entrada: gratuita.
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar