Quinta-Feira, 2 de Dezembro de 2021

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< CULTURA ‘O dia seguinte’ discute mudanças climáticas e a cidade do futuro Espaços lúdicos e sensoriais fazem parte da experiência de aprendizado na mostra

Publicada em 14/10/2021 às 11:49
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
(Foto: Divulgação)
NA CAPITAL
 
Com espaços lúdicos e sensoriais para o público ter a experiência dos efeitos das mudanças climáticas e suas consequências nas cidades, a exposição gratuita “O dia seguinte” segue até o dia 14 de novembro no Museu Catavento, na Capital paulista. O foco da mostra é a conscientização acerca da crise climática a partir dos centros urbanos. De acordo com Felipe Lobo, diretor da produtora Na Boca Do Lobo, idealizador do evento, “O dia seguinte” conta desde a história do aquecimento global, explicando como a humanidade chegou até aqui, e apresenta soluções possíveis para a crise climática a partir das cidades. 
 
“Acredito que precisamos repensar nosso estilo de vida como um todo, e o conhecimento é o primeiro passo das mudanças. Tendo informação, nós podemos escolher a cidade e o mundo que queremos viver. É esta reflexão que propomos ao longo da experiência na exposição”, afirma Lobo. Para falar da relação entre cidades e clima, “O dia seguinte” usa dois pontos de partida, a cidade do futuro que queremos e a que não queremos, e com isso mostra como os modelos de desenvolvimento urbano impactam positiva e negativamente o clima, trazendo temas como infraestrutura, segurança, saúde, segurança alimentar e energia como fatores a se refletir.
 
A vivência da exposição passa por cinco módulos que unem informações em projeções, pisos de led, telas interativas, animações, jogos e experiências empíricas a fim de pensar em como as cidades impactam o clima e como elas são um elemento transformador para a construção de um mundo sustentável. O passado do mundo é apresentado ao público na entrada da exposição, para que se entenda tanto o presente quanto potenciais futuros. Nesta etapa, um piso de LED mostra a dualidade entre os aspectos positivos e negativos das cidades, convidando os espectadores para o início da reflexão. 
 
No mesmo ambiente, também há uma grande escultura do globo terrestre feita por resíduos domésticos que chama a atenção para o impacto do consumo diário da sociedade. Em [Des]ordem, o público é convidado a refletir como a desigualdade social nas cidades faz com que os impactos climáticos sejam sentidos em maior nível por populações economicamente vulneráveis. Com animações em 2D e 3D projetadas em paredes, no piso e em um globo terrestre, a exposição apresenta em [Trans]formação a história da Humanidade, desde a Pangeia, passando pelos dinossauros, História Antiga, até chegar na Revolução Industrial.
 
Nesta etapa, “O dia seguinte” convida o público a mergulhar nas reflexões provocadas pelos módulos anteriores, trazendo painéis informativos com infografias interativos e jogos que falam sobre os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) elencados pela ONU para que os visitantes se aprofundem mais no tema e visualizem os benefícios da adoção de modelos de desenvolvimento mais sustentáveis. “Durante toda a exposição, buscamos trazer o passado, o presente e as possibilidades futuras para que o público possa refletir os caminhos que estamos tomando como sociedade”, conta Lobo.
 
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar