Quinta-Feira, 17 de Junho de 2021

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< Legislativo retoma atividades presenciais pós-surto de Covid

Publicada em 09/06/2021 às 20:19
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

A Mesa Diretora da Câmara Municipal de Sorocaba, dirigida pelo presidente interino, Pastor Luís Santos (Republicanos) – o titular, Cláudio Gervino Gonçalves, o Cláudio do Sorocaba 1, cumpre quarentena em casa também diagnosticado com a doença -, na manhã desta quarta-feira (9), decidiu pelo retorno das atividades presencias na sede do Legislativo a partir desta sexta-feira (11), depois de dez dias em que o prédio permaneceu fechado diante da ocorrência de novo surto de Covid-19 entre funcionários e vereadores. De acordo com o presidente interino, as atividades retornam em sistema de rodízio de seus servidores e as sessões ordinárias acontecem de maneira virtual, todas as terças e quintas-feiras pela manhã, até o dia 30 deste mês. “Nossa ideia é manter a segurança dos servidores, vereadores e principalmente da população de nossa cidade”, explicou Luís Santos.

As sessões solenes e audiências públicas também poderão ocorrer de forma on-line e a Casa de Leis segue com restrições no atendimento ao público externo. Além do presidente interino, participaram da reunião os vereadores João Donizeti Silvestre (PSDB), Fábio Simoa (Republicanos) e Fausto Peres (Podemos), além dos secretários da Câmara.


INTERRUPÇÃO DE TESTAGEM – Por outro lado, a vereadora Fernanda Garcia (Psol) enviou ofício à Prefeitura com questionamentos sobre a interrupção do fluxo de testagem sorológica de Covid-19 para servidores públicos municipais assintomáticos, que tiveram contato com casos confirmados no ambiente de trabalho. O comunicado da decisão da Prefeitura foi emitido pelas secretarias municipais de Saúde e de Recursos Humanos. No entendimento da vereadora, é temerário que a Prefeitura pare com essa ação de caráter preventivo. “É muito importante a realização dos testes sorológicos para compreender a propagação do vírus, identificar os locais de circulação e para conter a sua proliferação. É inconcebível que a Prefeitura deixe de testar os servidores em repartições públicas onde há casos positivados. O servidor que trabalha ao lado do colega infectado pode não estar manifestando sintomas, mas se também estiver positivo certamente estará propagando para os familiares, no transporte público e para os munícipes”, contesta a vereadora, acrescentando: “Os dados apontam que estamos no início da terceira onda. Toda ação preventiva é necessária, para que seja possível conter o avanço do vírus e, consecutivamente, os casos graves e as mortes. A Prefeitura precisa apresentar uma justificativa para essa medida, em caráter emergencial, e também uma ação alternativa para monitorar o avanço da pandemia”.

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar