Terça-Feira, 11 de Maio de 2021

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< EDITORIAL De olho na cobrança do IPTU

Publicada em 31/03/2021 às 18:07
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Diante do que mais uma vez vem ocorrendo neste início do ano, não deixa de ser oportuna e necessária a abordagem que inúmeros vereadores vêm fazendo na tribuna do Legislativo sorocabano com relação a cobrança do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) por parte da Prefeitura de Sorocaba. Na verdade, não são poucas as reclamações que existem a respeito e que realmente precisam ser esclarecidas como se deve. Entre elas, por exemplo, uma que chegou ao conhecimento da redação é de uma moradora do Jardim São Camilo, na zona norte, e que no último domingo, dia 28, recebeu, através do Sedex, o carnê do IPTU com a primeira parcela devendo ser paga no dia 26, ou seja, o vencimento era para dois dias antes, no dia 24, o que não deixa de ser um absurdo.

Como se observa, os mesmos erros e falhas que ocorriam anos atrás, continuam sendo levados adiante também na atual administração municipal, havendo a necessidade de se atentar para os reajustes que foram feitos e que as vezes acabam prejudicando os contribuintes. Por mais que se fale a respeito, com o desenvolvimento de debates e de campanhas revisionais, todos os anos é a mesma coisa, com os proprietários de imóveis sempre levando a pior.  

"Este é um assunto que realmente precisa ser discutido amplamente em busca de alternativas para que os contribuintes não sejam prejudicados com cobranças que não correspondam à realidade que o País vive"   

É importante destacar que nenhum prefeito, com o intuito de fazer política e agradar os eleitores, pode deixar de cobrar imposto de todos os proprietários de imóveis. De um modo geral, é claro que ninguém gosta de pagar tributos, muitas vezes achando que pode recorrer a este ou aquele vereador para interceder a seu favor. O fato, porém, é que os poderes públicos dependem da arrecadação de impostos para o desenvolvimento de suas atividades em prol da população.

Sabe-se que o IPTU, por exemplo, sempre se constitui na principal fonte de arrecadação própria da Prefeitura, que se utiliza desse direito para poder executar melhoramentos públicos em toda a cidade e não pode abrir mão de cobrar um percentual de todo e qualquer imóvel, a não ser em casos especiais determinados pela legislação existente e que devem ser aprovados pelos órgãos competentes.

Ainda bem que os vereadores têm consciência das coisas e sabem que não são eleitos para ''quebrar o galho'' de quem quer que seja, mas, sim, de contribuir para que todo o conjunto da sociedade possa ter os seus direitos assegurados, sem o pagamento de tributos que extrapolem o senso comum. O que eles sempre precisam, como fazem neste momento, é procurar discutir o assunto em toda sua plenitude e buscar alternativas para que os contribuintes não sejam prejudicados com cobranças que não correspondam à realidade, principalmente num período de tantas dificuldades que todos enfrentam hoje em dia.

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar