Terça-Feira, 11 de Maio de 2021

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< EDITORIAL 300 mil mortes depois

Publicada em 25/03/2021 às 20:25
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Depois de tanto tempo desafiando a todos, o presidente Jair Bolsonaro saiu da mesmice e decidiu convocar na semana passada um encontro com os representantes dos três poderes da Nação para buscar soluções viáveis que possam minimizar os estragos que a pandemia da covid-19 vem provocando em todo o Brasil. Naturalmente, se tivesse feito isso antes, com certeza muitas medidas favoráveis já poderiam ter sido bem encaminhadas contra o mal que vem assolando o País e já dizimou milhares de vidas humanas.                       

Nesta altura, com tantas divergências colocadas sobre o tabuleiro político, não há como negar que o novo coronavírus é o tipo de problema que só pode ser enfrentado com sucesso se prevalecer a colaboração efetiva de todos os segmentos da sociedade. Se os governantes, as autoridades competentes e toda a população não fizerem a sua parte, é absolutamente certo que a pandemia se prolongará por tempo indeterminado em prejuízo de todos os brasileiros, até porque só no final deste ano é que a maioria da população estará protegida pelas duas doses da vacina.  

"Apesar dos dias sombrios que todos os brasileiros enfrentam, é preciso não perder as esperanças de que tudo haverá de passar"                 

O fato é que ninguém, muito menos o presidente da República, pode continuar desafiando uma doença sem que medidas efetivas sejam adotadas, como se tudo não passasse de uma simples disputa de um jogo qualquer. Desde o início da pandemia, um ano atrás, o presidente Bolsonaro nunca procurou fazer sua parte para que realmente houvesse uma convergência de interesses comuns dispostos a enfrentar a pandemia de igual para igual. Dessa forma, a população é que acabou levando a pior, contabilizando-se hoje mais de 300 mil vítimas fatais.

Ainda nesta semana, o Ministério da Saúde reduziu pela sexta vez a previsão de doses de vacina no Brasil. E, pela primeira vez, mudando o tom de suas palavras, finalmente o chefe da Nação passou a incentivar a vacinação em massa de toda a população. Pode-se dizer que até agora só perdeu-se muito tempo enxugando gelo.                        

Diante de uma situação que tornou-se tão critica a partir de março do ano passado, não deixa de ser oportuna e necessária a celebração de um pacto nacional entre todas as esferas do poder. Embora muito ainda precisa ser feito para que as coisas possam mudar para melhor, o que se espera é que os brasileiros possam deixar de lado a sensação permanente de que tudo está piorando cada vez mais. Apesar dos dias sombrios que todos enfrentam, é preciso não perder as esperanças de que tudo haverá de passar.

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar