Sexta-Feira, 14 de Maio de 2021

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< CULTURA O que foi realmente a ‘Estrela de Belém’? O fenômeno celestial que guiou os Magos até Jesus é considerado extremamente raro e carregado de simbologia. Será que ele pode se repetir este ano?

Publicada em 24/12/2020 às 01:33
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
(Foto: Reprodução da Internet)

O objeto luminoso no Céu que guiou os Magos a Jesus e ficou conhecido como ‘Estrela de Belém’ foi um acontecimento extremamente raro e cheio de símbolos. Da mesma forma, o alinhamento de Saturno e Júpiter em 21 de dezembro de 2020 vinha sendo anunciado como uma ‘Estrela de Natal’. Como os dois planetas deveriam ficar a apenas 0,1 grau de distância, eles apareceriam como uma grande estrela brilhante, lembrando a Estrela de Belém que anunciou o nascimento de Jesus.

Grant Mathews, professor de Astrofísica Teórica e Cosmologia e diretor do Centro de Astrofísica da Universidade de Notre Dame, Paris, normalmente desenvolve pesquisas nas áreas de origem e evolução da matéria no Universo. Mas, por diversão, ele tem refletido sobre o que era tão significativo nos céus por volta do ano 6 a.C. e que seria imortalizado no Evangelho. De fato, Mathews diz que os Magos eram sacerdotes zoroastrianos da Babilônia e que eles entendiam que a constelação de Áries se referia à terra da Judeia. Diz ele: “Há evidências nos escritos do famoso astrônomo Cláudio Ptolomeu e também na cunhagem de moedas romanas na época de que Áries era a constelação que se pensava estar associada à região da Judeia. Isso foi particularmente significativo porque Áries era também a constelação que continha o Equinócio Vernal naquela época e um evento que ocorreu em Áries implicaria, portanto, a redenção e uma nova vida associada com a chegada da Primavera”.

Portanto, um grande alinhamento planetário naquela parte específica do Céu – onde Áries estava – chamaria a atenção deles. “Curiosamente, eles tinham sua própria crença na vinda de um messias, mas suas crenças refletiam um senso de determinismo, que em sua visão estava conectado com os movimentos do Sol, da Lua e dos planetas no Céu. Em seu sistema de crenças, cada constelação do Zodíaco foi atribuída a uma região geográfica diferente de influência. A localização do Sol, da Lua ou dos planetas em uma constelação indica o caráter de uma pessoa nascida naquele dia. Especialmente se eles nasceram na localização geográfica associada a essa constelação”.

ALINHAMENTO PLANETÁRIO - Em uma entrevista de 2016, Mathews observou que Michael Molnar, no livro “The Star of Bethlehem” (“A Estrela de Belém”, apresentou a hipótese de que o Sol, a Lua, Júpiter e Saturno apareceram em Áries, “com Vênus na constelação de Peixes ao lado, junto com Mercúrio e Marte do outro lado, na próxima constelação de Touro”. Além disso, o que também é significativo é que Júpiter estava em posição regressiva, o que significa, que da perspectiva da Terra, o Planeta estava seguindo um curso contrário aos outros planetas, mas que então inverteu o curso, depois de parecer ter parado.

O Evangelho de Mateus observa: “A estrela veio descansar no lugar onde a criança estava”. Mathews explica que ela estaria “voltando ao repouso” em Áries – a constelação associada à Judeia, onde estava o Menino Jesus. O pesquisador, então, afirma: “Neste caso, a estrela que descansou seria o planeta Júpiter (o símbolo de uma régua), que literalmente parou seu movimento retrógrado e ‘parou’ no céu durante seu movimento entre as estrelas. Os outros planetas e a presença do Sol e da Lua teriam fortalecido isso e teriam grande importância para os Magos. É por isso que eles teriam chegado ao tribunal de Herodes para perguntar: ‘Onde está o governante recém-nascido da Judeia?'”.

No sistema de crenças dos Magos, este foi um acontecimento muito incomum e especial. Naquela época, Áries era o local do ‘Equinócio Vernal’. O Sol localizado ali era um símbolo de primavera e redenção. A ocorrência da Lua e de Júpiter ali ao mesmo tempo era o símbolo de um destino especial do novo governante. Saturno era o símbolo da vida.

De fato, Mathews calculou que tal alinhamento não ocorreria novamente por mais de 16.000 anos e, mesmo assim, não estaria na constelação do equinócio vernal. “Foi um acontecimento verdadeiramente único”, afirmou.

Ademais, outro fato intriga Mathews: foram os sacerdotes zoroastrianos os protagonistas da História. “Esta era uma religião muito antiga, que tinha sua própria crença em uma ‘Trindade’ e um messias vindouro. Zoroastro significa literalmente ‘luz brilhante’. Eles acreditavam que as estrelas, planetas, Sol e Lua eram símbolos do divino. O olíbano para eles era um símbolo de ‘luz eterna’ usado em suas cerimônias”, afirmou.

Mathews ainda acrescentou: “A coisa mais surpreendente para mim sobre essa história é que Deus teria programado Sua chegada para coincidir com o sistema de crenças de um grupo de astrólogos não hebreus. De fato, a astrologia era proibida no sistema de crenças judaico. Isso explica por que ninguém, na corte de Herodes, sabia da existência da ‘estrela no Oriente’, de que falavam os Magos”.

O que Deus pretendia dizer com isso? Mathews acredita, portanto, que a resposta pode ser dupla: “Uma é que isso simboliza o presente da redenção a todos os povos trazidos pelo Menino Jesus. A outra é algo como uma mensagem pessoal para0 a Humanidade. Como alguém que estuda os céus, posso sentir empatia pelos Magos, pois mesmo na ciência moderna, como foi o caso daqueles astrônomos antigos, exploramos os céus em busca de evidências da criação e do Criador. E então, como hoje, Deus é um galardoador daqueles que o buscam de todo o coração. Acredito que os Magos buscaram com todos os seus recursos e sendo a prova do Criador de todas as coisas nos céus. E que Deus escolheu recompensar isso” - John Burger, da Agência Aleteia.

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar