Sexta-Feira, 28 de Janeiro de 2022

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< INTERNACIONAL Novo acordo pode retomar retirada humanitária em Alepo

Publicada em 18/12/2016 às 08:17
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
Um acordo foi fechado neste sábado para permitir que "casos humanitários" deixem vilas xiitas cercadas pelo governo no noroeste da Síria. Isso pode abrir espaço para o reinício da retirada de civis e de rebeldes do leste da cidade de Alepo, informou um grupo que monitora o confronto e também o braço de mídia do grupo xiita libanês Hezbollah.
 
O Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, sediado no Reino Unido, informou que a retirada de cerca de 4 mil pessoas, entre elas feridos, das vilas de Foua e Kfarya deve começar neste sábado. Combatentes do Hezbollah se uniram ao confronto sírio ao lado das forças do presidente do país, Bashar al-Assad. Ativistas da oposição acusam o grupo libanês de interromper a principal estrada ao sul de Alepo e bloquear a retirada de bairros mantidos pelos rebeldes no leste da cidade.
 
A retirada de Alepo foi suspensa nesta sexta-feira após relatos de disparos feitos pelos dois lados do conflito. Milhares de pessoas haviam sido retiradas antes do processo ser suspenso. O governo sírio disse que a retirada de pessoas das vilas e do leste de Alepo precisa ocorrer de maneira simultânea, mas os rebeldes dizem que elas não têm ligação entre si.
 
O braço de mídia do Hezbollah afirmou que o novo acordo inclui cidades mantidas pelos rebeldes, como Madaya e Zabadani, perto da fronteira com o Líbano, onde dezenas de milhares de pessoas estão presas no cerco das forças do governo e do próprio grupo libanês.
 
Um correspondente da TV estatal síria, falando de Alepo, disse neste sábado que a principal condição para a retomada da retirada de Alepo é que os moradores de Foua e Kfarya possam ter permissão para ir embora.
 
O cessar-fogo e a retirada do leste de Alepo nesta semana marcou o fim do mais importante bastião dos rebeldes na guerra civil de cinco anos. A suspensão da trégua mostrou a fragilidade do acordo, pelo qual civis e combatentes seriam levados para território próximo mantido pela oposição.
 
Há relatos divergentes sobre quantas pessoas seguem em Alepo, variando entre 15 mil e 40 mil civis, bem como cerca de 6 mil combatentes. Há também números conflitantes sobre quantas pessoas deixaram Alepo na quinta-feira e no início da sexta-feira. A TV estatal diz que foram mais de 9 mil, enquanto a Rússia, importante aliado de Assad, citou 9.500 pessoas, entre elas mais de 4.500 rebeldes.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar