Segunda-Feira, 17 de Janeiro de 2022

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< EDUCAÇÃO Estudantes voltam às rua para protestar contra MP do Ensino Médio

Publicada em 27/10/2016 às 06:39
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
(Fernando Rezende)
Um dia após a aprovação da PEC 241, que limita os gastos da União pelos próximos 20 anos, numa tentativa do governo do presidente Michel Temer de salvar as combalidas finanças públicas do País, estudantes de escolas estaduais da cidade voltaram às ruas do Centro na manhã desta quarta-feira (26) para protestar contra o que classificam de `medidas impopulares´ do Palácio do Planalto. Portando faixas e cartazes contra o Presidente, além de contarem com a bateria de uma fanfarra, os estudantes protestavam, sobretudo, contra a MP do Ensino Médio e o projeto “Escola sem Partido”, ambos defendidos pelo Governo Temer. 
 
Assim como fizeram nos últimos dois atos, nos dias 5 e 17 de outubro, os estudantes de escolas mais próximas da região central se concentraram na praça Coronel Fernando Prestes. No local, os alunos esperavam outro grupo de estudantes que se deslocava da Zona Norte em caminhada da avenida Itavuvu até o Centro. Em seguida, eles saíram da praça da Catedral Metropolitana em caminhada pela rua Coronel Benedito Pires, seguindo pelas ruas Dr. Álvaro Soares e Francisco Scarpa, até chegarem à praça da Bandeira, na avenida Dr. Afonso Vergueiro, onde realizaram uma pequena assembléia aberta, discutindo as proposta do governo. Todo o trajeto foi acompanhado pela Polícia Militar e Guarda Civil Municipal e nenhuma ocorrência foi registrada, salvo pequenos congestionamentos.
 
Segundo informou o presidente da União Sorocabana dos Estudantes Secundaristas (Uses), Vinícius Viana, o protesto já estava marcado e não aconteceu necessariamente como reação à aprovação da PEC dos Gastos Públicos pelo Congresso. “Na verdade, a gente já esperava que ela fosse aprovada. Nosso objetivo aqui é pressionar contra as próximas votações”, explicou.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar