Segunda-Feira, 17 de Janeiro de 2022

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< REGIÃO Em encontro, municípios propõem Residências Terapêuticas solidárias

Publicada em 30/07/2016 às 07:18
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
Representantes de Sorocaba, Piedade, Salto de Pirapora, Ministério Público Federal, Defensoria, Ministério da Saúde, Secretaria Estadual da Saúde e Departamento Regional da Saúde (DRS), reuniram-se nesta semana para discutir o TAC da Saúde Mental. Durante o encontro, em Salto de Pirapora, foi proposta a criação de um sistema denominado “Município Solidário” para as cidades que têm apenas um morador internado.
 
Com isso, a cidade com apenas um morador internado nos hospitais psiquiátricos e que implantar uma Residência Terapêutica (RT), a fim de assisti-lo, dispõe-se a receber, também, os de municípios vizinhos. Durante o encontro, a DRS Sorocaba apresentou, também, as RTs das cidades que receberão os moradores dos hospitais psiquiátricos Vera Cruz, Vale das Hortências, de Piedade, e Clínica de Salto, e Santa Cruz, de Salto de Pirapora.
 
A região possui três colegiados, dos quais Sorocaba, Itapetininga e Itapeva englobam 48 municípios. A indicação da RT é feita considerando o município de procedência dos moradores ou onde residem seus familiares. Atualmente, o Polo de Desinstitucionalização Vera Cruz conta com moradores de 94 cidades, incluindo 10 de outros Estados como Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. 
 
De São Paulo, há moradores de 84 municípios, entre os quais, 46 com um morador, 14 com dois moradores e 13 com três residentes. O município de São Paulo conta com 61 moradores e a cidade de Sorocaba, com 111. A coordenadora de Saúde Mental de Sorocaba, Mirsa Elisabeth Dellosi, explica que há um planejamento para que em agosto e setembro os moradores da Capital já estejam vivendo nas RTs. 
 
“As equipes dos Caps daquele município já iniciaram as visitas para conhecê-los”, ressalta Mirsa, afirmando, ainda, que o processo de desinstitucionalização requer cuidados na direção do acolhimento dos moradores por parte das equipes dos Caps III, que vão recebê-los. Daí, será estabelecido um cronograma para que as equipes possam representá-los e tomar as medidas corretas para a alta.
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar