Quarta-Feira, 19 de Janeiro de 2022

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< POLÍTICA Grupo faz novo protesto contra o governo Temer

Publicada em 12/06/2016 às 00:35
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
(Fernando Rezende)
Pela segunda vez nesta semana, o centro da cidade voltou a receber uma manifestação contra o governo do presidente em exercício, Michel Temer (PMDB), ontem. O ato foi organizado por movimentos sociais e diretórios municipais dos partidos políticos PT e o PSOL. A concentração começou às 9 horas, na Praça Coronel Fernando Prestes, e os manifestantes seguiram para a Praça da Bandeira, na Avenida Dr. Afonso Vergueiro, por volta das 11h30. O protesto reuniu em torno de 100 pessoas.
 
De acordo com Ítalo Rosendo, da Frente da Esquerda Classista, o protesto é contrário ao governo de Temer que, para eles, é ilegítimo. “Ele é fruto de um golpe, junto a uma mídia também golpista e instituições reacionárias que visam favorecer uma agenda voltada ao poder econômico e empresariado contra os diretos civis, sociais e da classe trabalhadora”, afirma.    
 
Rosendo também explica que, embora os movimentos sociais compartilhassem o posicionamento contrário ao governo do presidente interino, cada um defendia uma pauta específica ali. “A ideia é essa, toda a classe trabalhadora e movimentos de resistência se juntarem contra os movimentos reacionários e conservadores.”
 
O deputado estadual e pré-candidato à Prefeitura de Sorocaba, Raul Marcelo (PSOL), esteve no manifesto. Segundo o presidente do diretório municipal do PSOL, Marco Antônio de Morais, a pauta defendida pelo partido é por novas eleições. “Somos contra a Temer, que de fato é um governo retrógrado, que, inclusive, ataca a agenda da superação das opressões. No aspecto econômico, não vemos grandes distinções entre Temer e Dilma”, conta Morais, que defende o posicionamento do PSOL por novas eleições gerais. “Defendemos aqui novas eleições para que o povo decida sobre a crise e não fique nos tapetes do parlamento ou do Executivo.”
 
Paula Penha, do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, também esteve na manifestação em defesa de novas eleições a favor da Educação. “O governo Temer está aprofundando a política de cortes na Educação, que já eram implementadas pela presidente Dilma Rousseff (PT), então achamos que tem que ter uma mudança total na forma de organizar a Educação no sentido que tem que investir mais”, defende. 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar