Quarta-Feira, 19 de Janeiro de 2022

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< SAÚDE Comissão de Saúde discute lista de espera para cirurgias de catarata com o BOS Diretoria do Banco de Olhos de Sorocaba garante que há potencial para `zerar a fila´

Publicada em 07/04/2016 às 07:13
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
(AI/CMS)

Em nome da Comissão Permanente de Saúde Pública do Legislativo local, o vereador Izídio de Brito (PT), esteve reunido na manhã desta quarta-feira (6) com a diretoria do Banco de Olhos de Sorocaba (BOS), para tratar da lista de espera por cirurgias de catarata na cidade, entre outras demandas apresentadas por pacientes do Hospital Oftalmológico.

Segundo os dados apresentados na ocasião, a espera em Oftalmologia, só em Sorocaba, chega a 28.398 procedimentos, sendo a lista de cirurgias de cataratas de 4.512 pacientes do Município – número que ultrapassa as 6 mil operações se considerado o cenário regional. Há três anos, o Banco de Olhos não realiza um mutirão da catarata em Sorocaba e, atualmente, são realizadas 100 cirurgias ao mês.

O presidente da Comissão legislativa, formada ainda pelos vereadores Pastor Apolo (PSB) e Fernando Dini (PMDB), conversou com o presidente do BOS, Pascoal Martinez Munhoz, com o vice-presidente Sérgio Gabriel e com o diretor financeiro da instituição, José Artur de Oliveira. “A reunião foi marcada para entendermos como é feito o financiamento das cirurgias, se é repasse municipal, estadual ou federal, para podermos cobrar e auxiliar o Hospital Oftalmológico na dura missão de diminuir essa fila de espera”, destacou o vereador.

De acordo com o presidente do Hospital, o teto financeiro transferido pelo governo para as cirurgias de catarata é o mesmo desde 2004. Outro problema apresentado foi o fato de há três anos a responsabilidade pelo financiamento das cirurgias ter sido transferido pelo Ministério da Saúde para a Prefeitura. Assim, os recursos são liberados não apenas para esta finalidade, mas também para outras especialidades, mediante prestação de contas, “o que aumenta a burocracia e dificulta o repasse para o Hospital”.

IMPASSE COM A PREFEITURA - “O programa do governo federal acabava com as filas de cirurgias de catarata, mas quando transferido para a Prefeitura não anda”, reconheceu o presidente do Banco de Olhos, Pascoal Martinez Munhoz. A diretoria destacou que há potencial para atendimento e defende um projeto específico para a catarata. “A fila já foi zerada um dia, poderá acontecer novamente”, destacou o diretor financeiro.

O vereador Izídio de Brito se comprometeu, através da Comissão de Saúde, a auxiliar o Hospital nas questões apresentadas. A direção do Hospital Oftalmológico pediu que a Câmara Municipal intervenha junto à Diretoria Regional de Saúde (DRS) quanto ao teto financeiro e junto ao Ministério da Saúde em relação ao débito de R$ 4,5 milhões relativo a serviços prestados.

Além da lista de espera por cirurgias de catarata e outros procedimentos tanto de Oftalmologia, quanto de Otorrinolaringologia, o presidente do Banco de Olhos destacou o aumento de 40% no atendimento da Unidade de Pronto- Atendimento (UPA) do bairro do Éden, gerenciada pelo BOS. Segundo Munhoz, o aumento representa os pacientes vindos dos convênios médicos. De agosto a dezembro de 2015, a Unidade contabilizou cerca de 50 mil atendimentos, entre clínica médica e pediatria, e neste ano já são mais quase 86 mil atendimentos.(a

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar