Terça-Feira, 20 de Agosto de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

Coleta seletiva e reciclagem

Publicada em 19/07/2019 às 20:08
Compartilhe:

Apesar de toda a sua pujança, o Brasil é um país em desenvolvimento habitado por quase 210 milhões de pessoas que, sem perceber, de forma irremediável, vivem em meio a esta situação caótica: o lixo. Atualmente, só uma cidade do porte de Sorocaba produz mais de 500 toneladas de lixo diariamente, enquanto em todo o Estado de São Paulo são mais de 100 toneladas de resíduos por dia. Trata-se de uma quantidade suficiente para poluir e degradar definitivamente o solo e os recursos naturais de toda a sua extensa área urbana. A situação vai se tornando cada vez mais problemática em muitos municípios e até mesmo em pequenas cidades de todo o interior brasileiro, que já não sabem mais onde colocar tanta sujeira, como é o caso de Sorocaba, que há vários anos vem depositando o lixo em área localizada no município de Iperó. 
Sabe-se que não é de hoje que a palavra reciclagem há muito está presente no Brasil, mas o fato é que muito se fala e pouco se faz, sendo esta a triste realidade em que o País se encontra. Os governantes se omitem e ninguém alcança uma saída satisfatória para o problema. Muitas cooperativas de separação surgiram ao longo dos anos e com elas os catadores, mas o problema ainda está muito longe de ser resolvido, já que a reciclagem não chega nem a 5% em todo o Brasil. Houve um período, por exemplo, em que a coleta seletiva foi iniciada em Sorocaba, mas não demorou muito para ser desativada, tanto é que atualmente o trabalho é feito em menos de 2% da cidade.
Na realidade, o que falta é a Prefeitura assumir como se deve o desenvolvimento desse tipo de serviço, beneficiando, inclusive, de maneira organizada, todos os catadores que poderiam ter uma função adequada para ganhar dinheiro de maneira profissional. Se realmente houvesse uma política pública nesse sentido, poderia até ser estudada a possibilidade de redução dos tributos municipais para empresas, cooperativas de coleta seletiva e até mesmo para as indústrias de reciclagem. Tudo isso poderia representar um grande impulso para o crescimento efetivo do setor, reduzindo de maneira significativa a quantidade de lixo despejado no meio ambiente incorretamente. 
Da mesma forma, a população poderia ser estimulada a ter um papel fundamental na colaboração com toda essa prática, separando de forma adequada todo o lixo que uma casa produz todos os dias. O fato é que cabe aos empresários, à população e ao poder público acreditar nessa causa, que tudo tem a ver para que o meio ambiente não seja deteriorado cada vez mais. Não poluir é um dever de todos. Se cada um fizer a sua parte, todos os brasileiros serão vitoriosos.