Sexta-Feira, 19 de Julho de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

Muito além da Previdência

Publicada em 11/07/2019 às 19:07
Compartilhe:

Levando-se em conta que a economia brasileira está mais estagnada do que nunca, preocupando os setores produtivos e todas as milhões de pessoas que estão desempregadas, a aprovação em primeiro turno da reforma previdenciária na Câmara Federal não deixa de ser um primeiro passo para que o Brasil possa sair da incômoda situação em que se encontra. Claro que só isso ainda é muito pouco e o governo ainda terá de se empenhar ao máximo para apressar o andamento de outras reformas que se fazem necessárias, como é o caso da Tributária, que não é de hoje que vem penalizando os brasileiros em geral com seus impostos excessivamente extorsivos, principalmente em cima das camadas mais pobres da população. A paralisia que se observa há anos está custando muito cara a todos, e é isso que precisa ser interrompido para que o Brasil não continue a caminhar em busca do nada.
Atualmente, por mais que se queira vislumbrar alguma perspectiva favorável a curto e médio prazo, dificilmente será possível enxergar algo de melhor diante da nebulosidade que insiste em se manter no caminho da evolução. Na realidade, antes de mais nada, para se recriar novas expectativas para a população em geral, falta uma verdadeira consciência para se promover uma aliança de protagonistas políticos e sociais que realmente possam mudar os rumos da Nação. Sem que o texto da Constituição seja colocado como um verdadeiro guia, já que suas aspirações continuam sendo válidas, os obstáculos sempre serão difíceis de serem transpostos, o que implica em se colocar em prática reformas constitucionais que sejam essenciais.
Naturalmente, em especial agora com a tão falada aprovação da nova Previdência em primeiro turno, há uma efetiva sinalização de recuperação em curso. Há que se ressaltar que a atual equipe econômica merece crédito, mas não terá condições de atuar sozinha. Daqui para frente tudo também dependerá do Congresso Nacional ou, melhor, tudo vai depender da maioria dos congressistas no que diz respeito às questões econômicas. Se a cada momento o foco for a defesa deste ou daquele privilégio em cima de ambições pessoais ou partidárias, é claro que o País continuará patinando de maneira interminável. 
Há que se enfatizar que o tempo perdido não tem mais volta e que só será possível encurtar o tempo de recuperação dos objetivos econômicos se as lideranças políticas pensarem com muito mais seriedade sobre as questões econômicas. Se tudo continuar em ritmo de cada um por si e Deus por todos, sem as demais reformas que se fazem necessárias, é evidente que nada de melhor se poderá esperar do futuro do Brasil. Os governantes, políticos e todo o conjunto da sociedade brasileira precisam estar conscientes de que o caminho a ser percorrido vai muito além da reforma da Previdência.