Quinta-Feira, 18 de Julho de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

Angústias e tensões

Publicada em 15/03/2019 às 22:07
Compartilhe:

Pesquisas realizadas ao longo dos anos mostram que a família, a escola e a igreja desempenham um papel dos mais importantes na proteção da juventude contra o uso do álcool, do cigarro e da maconha, bem como contra a violência, que não para de avançar pelo mundo afora. Através dessas instituições é possível constatar que os adolescentes efetivamente ligados aos pais e satisfeitos com o relacionamento familiar são menos propensos a comportamentos que prejudiquem a sua saúde e a atitudes irresponsáveis. Dessa forma, a família aparece como o local ideal para ter e criar filhos, cabendo a cada pessoa a manutenção do bom relacionamento familiar.
Os estudos feitos também mostram que muitos adolescentes sempre tiveram fácil acesso ao cigarro, drogas e armas dentro de casa, constatando-se que são nesses lares que ocorrem os comportamentos mais violentos e atitudes propensas ao suicídio. Diante de tudo isso e das tragédias que têm envolvido os jovens com tanta frequência, a exemplo do que ocorreu na escola de Suzano nesta semana, quando estudantes e funcionários foram mortos pela fúria de dois jovens, está mais do que na hora de os pais modernos repensarem sua moral e liberdade de educação de seus filhos. Sabe-se que os pais desenvolvem um papel central que pode ajudar muito, mas que também pode atrapalhar demais. Portanto, menos desculpas e mais comprometimento familiar é o que deve prevalecer acima de tudo. Principalmente o pai, consagrado ao longo dos tempos como o chefe da família, não pode se transformar, com atitudes equivocadas, no principal agente desagregador. 
Diante de toda uma questão que se agrava a cada dia, é importante verificar como aumenta a frequência das agressões de todos os tipos nas escolas de todo o País, particularmente em São Paulo, que é o Estado mais desenvolvido do Brasil. E não são poucas as famílias, os alunos, professores e funcionários que vivem em estado de pavor por causa das graves ocorrências que são registradas. Daí a razão de se buscar a todo custo providências efetivas de combate aos problemas que vão se tornando cada vez mais comuns. 
Na verdade, o que falta é o retorno da tranquilidade em todos os estabelecimentos escolares, isto para que as angústias e tensões não continuem a se multiplicar em prejuízo de todos. Para tanto, o lar é a chave de tudo, enquanto a escola, com os conhecimentos que produz, é um complemento para a formação das novas gerações. É preciso enfatizar que a sociedade que todos querem, de mais qualidade para todos, não surgirá do nada, muito menos daqueles que cruzam os braços indiferentes a tudo.