Sexta-Feira, 21 de Setembro de 2018 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

Publicada em 12/03/2018 às 19:09
Compartilhe:

 Diante da situação de insegurança que o Brasil vive nestes tempos modernos de tantos horrores, sempre é importante refletir com intensidade sobre tudo aquilo de pior que nos últimos anos tomou conta do País. As coisas foram viradas do avesso e hoje em dia ninguém sabe ao certo o que fazer para resgatar tudo aquilo que o Brasil e os brasileiros perderam através dos tempos. Ninguém deve esquecer que, antigamente, quem proporcionava conhecimento às crianças eram os professores, mas a educação, dentro de casa, era uma atribuição dos pais. As famílias faziam de tudo no sentido de zelar para que os filhos crescessem irmanados aos bons costumes, reverenciando os mais velhos e respeitando os professores. Tudo era incorporado à chamada educação de berço, pelo simples motivo de existir a família, que primava em cumprir seu papel na sociedade. Quem viveu naqueles velhos tempos sabe que as coisas eram exatamente assim, mesmo que fossem necessários alguns puxões de orelha. Tudo isso, infelizmente, foi-se perdendo de quarenta anos para cá. 
Daí a importância de se reviver os velhos tempos através de campanhas que possam chamar a atenção de todos sobre os infortúnios que a sociedade brasileira é obrigada a enfrentar nos tempos atuais. Movimentos como a Campanha da Fraternidade que a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) desenvolve neste período que antecede a Páscoa, sob o tema "Fraternidade e a superação da violência", e o lema "Em Cristo somos todos irmãos" (Mt 23,8), sempre são das mais importantes. Trata-se de uma campanha que em todos os anos aborda um tema diferente para chamar a atenção de todas as pessoas que acreditam em um Brasil melhor.
É de se lamentar, hoje em dia, com a modernidade impactando tudo e deixando todo mundo aturdido, a perda inexorável de valores essenciais. Diante de um mundo cada vez mais cheio de incertezas, correrias e insanidades, torna-se urgente responder às causas que tanto contribuem para a agressividade das pessoas. Ao contrário de antigamente, não são poucas as crianças que se tornaram um fardo pesado demais para os pais. Afinal, de quem é a responsabilidade por tudo aquilo de pior que vemos ao nosso redor atualmente? É dos pais que passaram a permitir tudo, sem impor os limites que os filhos devem ter? A culpa é das transformações da sociedade que não conseguiu assimilar a chegada dos novos tempos? Tudo foi se degradando sem parar a partir do momento em que a indisciplina foi tomando conta dos lares, das escolas, das instituições públicas e da própria sociedade.
O fato é que a violência chega com o desamor e o distanciamento da família e da escola. O que fazer para que a sociedade possa repensar e tentar recuperar tudo o que foi se perdendo através dos anos? Há que se fazer alguma coisa com urgência pela criança da era moderna, que vai crescendo embalada pela agressividade e violência.