Sábado, 16 de Novembro de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

Cofres públicos devastados

Publicada em 17/09/2019 às 16:11
Compartilhe:

Num país que nunca deixa de estar às voltas com a corrupção, apesar de tantos políticos estarem cumprindo pena, é preciso enfatizar que há pouca diferença entre os danos provocados na prática por criminosos ligados ao tráfico de drogas e por aqueles que desviam recursos públicos. O que diferencia um e outro tipo de criminoso é o uso da força, mais associada a quem pratica a violência urbana e se financia do comércio de entorpecentes. Mas, como todo mundo sabe, são igualmente perniciosos os atos de servidores ou políticos que fraudam licitações ou desviam recursos públicos escassos em áreas essenciais, com prejuízos maiores justamente para quem precisa de serviços prestados pelo poder público. Quando se fala, por exemplo, que a assistência médica à população poderia estar muito melhor no Brasil sem tanta corrupção, os chamados criminosos do colarinho branco não podem ter perdão de maneira alguma.  
Obviamente, ninguém prega a existência de um Estado policialesco, mas, diante de tantos desmandos e de tanta impunidade ao longo dos anos, resta à sociedade ficar atenta a tudo e cobrar para que cada instituição faça a sua parte em todas as etapas, ou seja, das investigações ao julgamento e à punição. Daí a necessidade de a Lava Jato continuar desenvolvendo o seu trabalho como se deve, já que ela vem se constituindo na principal resistência contra a corrupção, que parece não ter fim no País. Aqueles que querem reduzir a intensidade das operações que vêm sendo deflagradas há vários anos não podem ter, em hipótese alguma, a simpatia e o beneplácito de ninguém. Conforme dados do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional, do Ministério da Justiça, ainda existem no exterior, depois de tudo aquilo que foi recuperado, algumas centenas de milhões de reais para ser repatriados para o Brasil, fruto da lavagem de dinheiro praticada por tantos agentes políticos que nunca se cansaram de devastar os cofres públicos em prejuízo de toda a população brasileira.
Depois do desfecho do mensalão, e agora, nos últimos anos, com as operações da Lava Jato e a condenação de culpados do alto escalão da política, tudo deve ser encarado como estímulo na luta contra a corrupção. As práticas nocivas dos criminosos políticos só serão reduzidas quando o Brasil deixar de tolerar toda e qualquer transgressão à ética, mostrando-se preparado para punir todo tipo de crime. Ao contrário do que muita gente pretende, a Lava Jato deve ser estimulada a continuar com o importante trabalho que vem desenvolvendo a favor Nação.