Domingo, 22 de Outubro de 2017 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

Publicada em 28/03/2017 às 14:10
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR

Prefeito frisa que as entregas estão regularizadas (Foto: Germano Schonfelder)
O prefeito José Crespo (DEM) afirma ter recebido a confirmação de que poderia fazer a entrega do Residencial Jardim Carandá, em contradição ao divulgado pelo Ministério das Cidades, que, no sábado (25), apontou possíveis irregularidades administrativas, civis e criminais.
 
De acordo com o Ministério, a entrega depende de autorização expressa do Governo Federal, mas foi “à revelia” do governo. Em nota técnica, o Banco do Brasil revela que se encontram pendentes a entrega de documentação que defina o responsável pela operação do sistema de água e a medição final, que só pode ser executada após a conclusão das obras.
 
O agente financeiro atesta, ainda, que estão aptas para entrega 1.456 unidades habitacionais, restando 1.104 para ser vistoriadas até o dia 30 deste mês, todas sem regularização de documentação. A previsão para finalização desses reparos e pendências seria hoje.
 
O Ministério das Cidades frisa que tem o objetivo de garantir, principalmente, a segurança dos beneficiários e o respeito à legislação que regula o programa "Minha Casa, Minha Vida".
 
Diante do cenário instalado, o trabalho, no momento, está focado na entrega das demais unidades e na apuração de responsabilidade pela entrega irregular do empreendimento.
 
“Houve um mal-entendido”, garante a Prefeitura, em nota. O município recebeu a confirmação na noite de sexta-feira (24) e a informação foi transmitida ao prefeito pelo Banco do Brasil, agente financeiro responsável pela liberação. O banco também informou à Construtora Direcional.
 
Na comunicação, o Banco do Brasil liberou apenas 10 dos 16 condomínios do residencial. Esses haviam passado por vistoria final. A construtora adiantou que outros dois condomínios também estavam prontos, faltando apenas vistoria final dos engenheiros do banco.
 
O prefeito ingressou na Justiça no sábado pela manhã para obter liminar liberando os dois condomínios. A juíza de plantão, Gláucia Cyrillo Pereira, fez a concessão, permitindo a entrega de 12 condomínios ao todo.
 
O restante deve ser entregue até a sexta-feira (31), dentro ainda do cronograma definido pelo prefeito em fevereiro. Esses condomínios passarão por nova vistoria antes da entrega.
 
Crespo acredita que tais informações não chegaram ao ministro das Cidades, Bruno Araújo. “Não há nenhuma irregularidade nas entregas feitas nem nas que ainda serão ao longo da semana”, afirma a Prefeitura.
 
“Todos os apartamento entregues no Carandá oferecem segurança aos beneficiários, como quer o Ministério e a Prefeitura, e estabelece o TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) firmado com o Ministério Público, e nós vamos esclarecer o mal-entendido”, disse o prefeito.
 
Em razão desse contratempo e por problemas de agenda do ministro das Cidades, Crespo decidiu adiar a festa de entrega do residencial para uma data que ainda será definida, anteriormente marcada para este sábado, dia 1º.
 
NO AGUARDO – Mediante o atraso na entrega dos condomínios Araucária, Figueira, Jerivás e Macaúba, por conta de obras de correção do acabamento, algumas famílias receberão a chave do apartamento no fim da semana.
 
Uma das beneficiárias, que pediu para não ser identificada, reclamou da falta de comunicação para quem terá de esperar pela mudança. “No cronograma, a minha data é para o dia 26, às 15 horas. Eu arrumei R$ 100 emprestado e fiz a mudança. Quando eu cheguei lá, perguntaram o que eu estava querendo”, relata.
 
“A minha sorte é que eu não entreguei a casa (anterior), senão eu não teria onde morar. Mas imagina como eu fiquei; carregar um caminhão, levar até lá e voltar para trás”, lamenta.
 
A beneficiária diz, ainda, não ter sido avisada sobre a nova data de mudança. “Estou indignada. Ninguém me ligou. Estive na assembleia sábado retrasado e ninguém comentou nada”, conta. Há um grupo no WhatsApp para os novos moradores do Residencial. Ela pediu orientação, mas não obteve retorno.
 
Já a Prefeitura garante que todos os beneficiários dos quatro condomínios em atraso foram notificados sobre a mudança de data.
 
 
Equipes solucionam possíveis problemas e garantem orientação
 
Uma pia entupida levou ao transbordamento de água na cozinha e surpreendeu Thaysa Martins dos Santos, 18 anos, que se mudava para o condomínio Jatobá com o marido, Lucas de Camargo, de 23, mecânico, na tarde desta segunda-feira.
 
“Imprevistos acontecem”, afirma Camargo. A tranquilidade do mecânico foi garantida pela convocação da equipe técnica da Direcional Engenharia, em plantão durante os dias de mudança para auxiliar os novos moradores com eventuais problemas.
 
Em cerca de 40 minutos, a situação foi resolvida. Um pedaço de pano obstruía a passagem de água. A equipe revela não ter muitos chamados com problemas estruturais, mas, sim, com dúvidas a respeito de gás, água e energia elétrica.
 
“Temos mais de 150 homens de prontidão para quaisquer eventualidades”, declara o engenheiro Homero Luz. “O que acontece, a gente já resolve de imediato. Também estamos nos reunindo com os síndicos para difundir informações.”
 
As maiores preocupações dos beneficiários estão em comentários divulgados anteriormente à mudança. Encanamentos com concreto, impedimento em furar paredes e vaso impossibilitando a colocação de um boxe são tópicos ouvidos por Camargo.
 
Apesar de tudo, Thaysa revela estar muito feliz. “Esperamos quatro anos por isso. Veio na hora certinha em que fiquei grávida”, diz, imaginando já a  montagem do quarto de Pedro, que nascerá no próximo mês. “Será uma vida melhor para o meu filho.”
 
A inspetora de alunos Silvana Camargo, 42 anos, está se “sentindo ótima” em não ter mais o filho e a nora em casa. “As mães choram quando os filhos vão, mas eu vou soltar fogos”, diverte-se. “Ele está indo para o seu cantinho, sei que ficará bem.”
 
A felicidade é dupla devido à conquista do apartamento e da chegada do neto, mas Silvana ficou ainda mais satisfeita ao conhecer o local. “Temos uma visão diferente lá de fora. Quando vi, pensei que meu filho não poderia ir, que teria muita gente”, explica. “Aqui, eles respiram um ar mais gostoso. Tem muito lugar para levar o Pedro para passear.”
 
A dona de casa Joseli Domingues de Paulo Almeida, 30 anos, chegou ao condomínio Cambará no domingo (26) e está muito contente com o que viu. “Gostei e as crianças também”, conta. Ela não notou nada passível de reclamação no apartamento. “É o sonho de todo cidadão”, frisa. “Fiz o cadastro e aguardei o sorteio. Não teria condição se não fosse assim”, explica Joseli. “Foi muita emoção quando vi que consegui. Quase morri do coração!”, brinca. 
NOTÍCIAS DESSA EDIÇÃO + notícias