Segunda-Feira, 19 de Abril de 2021

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< EDITORIAL As incertezas do dia a dia

Publicada em 02/02/2021 às 18:56
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
Nesta altura de 2021, que já avançou para o mês de fevereiro e logo mais vai se misturar a março, sempre é oportuno lembrar como a política de vacinação não deixa de ser um exemplo marcante da inércia com que a saúde pública é conduzida no Brasil. Enquanto outros países de características bem inferiores vão dando conta do recado em benefício da população, o mal que se registra por aqui é espantoso, já que as doses que chegam hoje e já começam a ser aplicadas poderiam ter contribuído para salvar muitas vidas se tivessem chegado a tempo às unidades de saúde de todo o País. Antes mesmo da oferta de tantas vacinas, os governantes já deveriam ter conseguido há muito tempo o máximo delas para atender ao maior número de pessoas possíveis, colaborando, dessa maneira, no combate à curva de contaminados e mortos, que se amplia cada vez mais. 
Desde o início de março do ano passado, quando o novo Coronavírus passou a impor o sufoco contra a existência de toda a humanidade, nunca mais o Brasil deixou de conviver com o pior, sem condições de virar uma das páginas mais surreais de toda a sua história. O plano estratégico do governo contra tão terrível mal nunca conseguiu sair do lugar comum, constituindo-se em algo perverso demais para todos os brasileiros. A confusão e a insensatez em torno das poucas vacinas que chegaram até agora, depois de tanta conversa fiada a respeito, não deixa de ser um filme dos mais tenebrosos a sufocar toda a população. Enquanto isso, morrem mais de mil pessoas por dia por todo este Brasil varonil, como se isso fosse algo natural.
 
"O que falta é todo mundo sair às ruas e cobrar dos políticos muito mais trabalho e responsabilidade em prol dos interesses comuns de toda a sociedade brasileira" 
 
Apesar de tudo de pior que não muda a sua trajetória, favorecendo, inclusive, o péssimo exemplo de tanta gente que se mistura por todos os lados, sem consciência para entender a gravidade da situação, o País ainda tem de encarar o aumento de impostos e a tributação majorada sobre alimentos e remédios, enquanto o desemprego prevalece e vários segmentos do comércio, indústria e serviços vão fechando suas portas sem condições de manter empregos com carteira assinada e atividades em pleno funcionamento. A falta de continuidade de uma política de assistência aos menos favorecidos é que vai marcando a caminhada do Brasil nesta época em que as incertezas é que se manifestam diariamente. 
Diante de tudo aquilo de pior que vai se registrando no País, é de se lamentar as ações nefastas de governantes e políticos que só se preocupam em defender suas causas pessoais, como as que ocorreram durante a longa disputa nas eleições dos novos presidentes da Câmara Federal e do Senado. O que sempre se observa é uma estrutura corporativista contaminada e viciada cada vez mais para reforçar as ações que contaminam o conteúdo da farinha do mesmo saco. O que falta é todo mundo sair às ruas e cobrar dos políticos muito mais trabalho e responsabilidade em prol dos interesses comuns de toda a sociedade brasileira. 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar