Quinta-Feira, 3 de Dezembro de 2020

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< Remake de ‘Convenção das bruxas’ está nas estreias Para críticos, produção não assusta da mesma forma que a versão de 1990

Publicada em 18/11/2020 às 21:10
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
(Foto: divulgação)
Entre as estreias desta quinta-feira (19), está o remake de “Convenção das bruxas”, um clássico de fantasia dos anos 1990. Em um período conturbado para o cinema, por conta da pandemia do novo Coronavírus, o filme é um dos mais aguardados.

A produção acompanha um garoto de 7 anos que depara com uma conferência de bruxas em um hotel. Lá, ele acaba descobrindo que um grupo de feiticeiras está fazendo uma convenção, com a intenção de transformar todas as crianças do mundo em ratos. 

Na primeira versão, o filme, certamente, foi um dos que mais assustou as crianças na medida em que se tornou um símbolo da cultura pop. Impossível falar desta versão e não retornar à cena da transformação de Anjelica Huston.

Para os críticos, o desenrolar do filme vai além da fantasia e, por mais que fale sobre bruxas, temas como amizade, amor familiar e aceitação, são abordados. “O remake de ‘Convenção das bruxas’ está dentro de um território seguro’”, pontuam. 

Eles consideram que, hoje, as crianças são adultas e não veem mais produções do gênero há um tempo e ressaltam que os pequenos da atualidade sequer imaginam o quanto Anjelica destacou o poder no quesito “aterrorizar”.

Os avaliadores explicam, ainda, que a nova versão traz um novo olhar à história. “Em termos estruturais, tudo se mantém praticamente igual, com exceção da escolha, é claro, de seu elenco principal, como Octavia Spencer e o simpático, Jahzir Bruno.”

O avanço tecnológico, embora esteja diferente da versão anterior, com mais efeitos práticos, não tira o impacto visual da convenção em si, especialmente pela atuação de Anne Hathaway no papel da líder das bruxas. 

“Com sotaque carregado e presença vivaz, a vilã conta com alguns dos mesmos traços que Anjelica empregou no papel, mas a face do terror é bem diferente aqui. Não há a retirada de máscaras, mas, sim, um sorriso de orelha a orelha, impactante por si só”, comentam. 

O filme não se preocupa muito em explicar o local de onde vieram as bruxas, contudo foca o contexto da avó com seu neto, trazendo um ambiente de aventura e fantasia, com uma dosagem equilibrada de terror, que surge por meio das bruxas.

O grupo crítico adianta que a estreia de hoje não assusta da mesma forma que a obra de 1990, no entanto o design de produção e os figurinos compensam com um belo visual multicolorido, tirando o espaço do sombrio para dar lugar ao fantástico. 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar