Quinta-Feira, 3 de Dezembro de 2020

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< Inflação eleva preço da Cesta Básica Sorocabana em mais de 30% em um ano Em outubro de 2019, valor medido era de R$ 611,69. No mês passado, já custava R$ 798,27

Publicada em 17/11/2020 às 21:39
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
(Foto: Agência Brasil)

O preço da cesta básica sorocabana em outubro, quando comparado com o mesmo mês do ano anterior (outubro/2019), teve um aumento de 30,5%, ou seja, R$ 186,58 pagos a mais pelo consumidor, conforme aponta levantamento mensal divulgado na tarde desta terça-feira (17) pelo Laboratório de Ciências Sociais Aplicadas da Uniso (Universidade de Sorocaba). Doze meses atrás, o valor da Cesta era estimado em R$ 611,69. Quando comparado com o mês anterior (setembro/2020), por outro lado, o preço da Cesta apresentou um aumento de 2,05%, passando de R$ 782,25 para R$ 798,27, ou seja, R$ 16,02 pagos a mais pelo consumidor.

A alta do preço da Cesta Básica Sorocabana no mês passado (2,05%) foi no mesmo sentido que o resultado medido pelo índice de inflação oficial (IPCA-15), que apresentou alta de 0,94%. Entretanto, os valores dos produtos de consumo básico que compõem a cesta básica subiram, em média, muito mais que os bens e serviços em geral na Economia, na avaliação do professor Lincoln Diogo Lima, coordenador da pesquisa mensal do Laboratório de Ciências Sociais Aplicadas da Uniso. No acumulado do ano, a cesta básica apresenta aumento de 16,03%, enquanto o IPCA-15 apresenta apenas alta de 2,31%.

ALTAS SIGNIFICATIVAS - Dos 34 itens pesquisados dentro da Cesta Básica Sorocabana, 19 deles apresentaram alta no preço no mês passado. Entre os itens que apontaram maior aumento, está a batata (55,8%), passando de R$ 3,16/Kg em setembro para R$ 4,93/Kg em outubro, isso após quatro meses consecutivos de quedas. O motivo para tal aumento, segundo os pesquisadores concluíram, se deve ao fato de que, em setembro, as colheitas foram antecipadas, por conta das altas temperaturas e da falta de chuvas, o que resultou em menor oferta do tubérculo em outubro.

Outro item que apresentou aumento de preço foi o óleo de soja (13,3%), passando de R$ 6,37/900ml para R$ 7,21. Foi o terceiro mês consecutivo de aumento, puxado pela disparada do seu principal insumo, a soja, que teve seu preço elevado devido à alta da taxa de câmbio e aumento da demanda interna e externa. Por outro lado, depois de subir 21,5% no mês anterior, o arroz também apresentou novamente forte aumento (12%), passando de R$ 23,39/5kg em setembro para R$ 26,20 em outubro, apresentando com esse resultado sua nona alta no ano, acumulando em 2020 uma elevação de 73,4% e se tornando o item da cesta básica que mais contribuiu para a sua alta no ano. Vários são os fatores que contribuíram para isso: a redução da área plantada nos últimos anos, a restrição de oferta pelo qual passa alguns países exportadores, com vistas a assegurar o abastecimento interno de seu país; a alta do dólar frente ao real, que estimulou a exportação do grão, e o aumento da demanda puxada pelo pagamento do auxílio emergencial que ajudou a população pobre a ter mais acesso ao alimento.

Já o item que apresentou a maior queda de preço foi a cebola (-14,1%), passando de R$ 4,65/Kg em setembro para R$ 4,00 em outubro, queda esta favorecida pelas condições meteorológicas, que levaram à maior colheita. Os ovos também apresentaram queda de preço (-13,1%), passando de R$ 8,62/1dz em setembro para R$ 7,50.

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar