Quarta-Feira, 2 de Dezembro de 2020

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< SOROCABA Polícia Federal começa a prender quem frauda ‘Auxílio Emergencial’ e ação chega a Sorocaba Entre os acusados de receber transferências indevidas do auxílio criado pelo governo federal em tempos de pandemia de Covid-19, estão, inclusive, empresários e até candidatos a prefeito e a vereador

Publicada em 10/11/2020 às 22:10
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
(Foto: Agência Brasil)

A Polícia Federal iniciou na segunda-feira (9) a execução da Operação ‘Primeira Parcela’ em todo o Brasil, buscando identificar e desarticular a atuação de criminosos organizados que cometeram fraudes para obter ilicitamente valores do ‘Auxílio Emergencial’, programa do governo federal destinado a pessoas que perderam renda financeira durante a pandemia de Covid-19. Em Sorocaba, também foram cumpridos mandados de busca, a exemplo de muitos outros municípios e da capital paulista, onde foram cumpridos um mandado de prisão e três de busca e apreensão e sequestros de bens. Mais um mandado de busca aconteceu em São Bernardo do Campo. Além de São Paulo (que concentra quase 40% das fraudes registradas), a Polícia Federal agiu simultaneamente em cidades da Bahia e do Estado do Tocantins -- no total, foram 10 mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisão. As ações foram executadas por 60 policiais federais.

A Polícia Federal apreendeu máquinas de pagamento computadorizadas usadas para as fraudes, vários documentos. Entre os envolvidos que receberam as transferências indevidas, estão empresários de firma de cosméticos e até candidatos a prefeito e a vereador nas eleições de domingo próximo, dia 15, além de donos de mercearia e até mesmo motoristas de aplicativos. As investigações ainda contabilizam os prejuízos causados pela quadrilha aos cofres públicos, que num primeiro momento giram em torno de R$ 350 mil. Parte do esquema de fraude envolvia o uso das máquinas e contas fraudadas no aplicativo do auxílio (Caixa TEM), que tinham os valores desviados para contas bancárias dos criminosos, além de pagamento de boletos pessoais.

Os envolvidos responderão pelos crimes de estelionato, constituição de organização criminosa e lavagem de dinheiro. As autoridades alertam para a população que todos os pagamentos indevidamente realizados são objeto de análise por parte da Polícia Federal e das demais instituições ligadas à liberação do benefício e orientam, com veemência, àqueles que requereram e receberam as parcelas não preenchendo os requisitos da legislação que realizem a devolução dos valores, sob pena de estarem passíveis de investigação criminal e possível prisão.

OPERAÇÃO ‘PRIMEIRA PARCEL’ - A Operação ‘Primeira Parcela’ é resultado de uma estratégia integrada da Polícia Federal, Ministério Público Federal (MPF), Ministério da Cidadania, Caixa Econômica Federal, Receita Federal, Controladoria-Geral da União e Tribunal de Contas da União (CGU). Uma das principais medidas adotadas foi a constituição, na Polícia Federal, de uma unidade especializada para identificar o cometimento de fraudes no ‘Auxílio Emergencial’. Os policiais investigam todos os aproximadamente 60 milhões de pedidos deferidos de pagamento.

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar