Sexta-Feira, 18 de Setembro de 2020

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< BRASIL Metalúrgicos tocam campanha salarial buscando garantir empregos também

Publicada em 10/09/2020 às 21:11
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Com o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) de 0,36% no mês de agosto, divulgado nesta quarta-feira (9), a inflação acumulada nos últimos doze meses, período da Campanha Salarial dos Metalúrgicos da FEM-CUT/SP, fechou em 2,94%. O índice de 2020 foi menor do que o da data-base anterior, de 3,28%.

O índice acumulado da inflação é utilizado para demonstrar as perdas salariais dos trabalhadores e serve de parâmetro para as negociações da Federação Estadual dos Metalúrgicos da CUT com as bancadas patronais, na campanha salarial 2020 da categoria que se inicia. A data-base dos metalúrgicos é 1º de setembro e os debates com os patrões começaram logo após a aprovação da pauta de reivindicações, em assembleia eletrônica realizada entre os dias 18 e 21 de junho, também no Portal do Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e da Região. A busca por estabilidade no emprego aos

metalúrgicos, como medida de enfrentamento à crise econômica da Covid-19, está entre as prioridades da campanha deste ano. “A realidade que vivemos nos últimos anos já não foi muito favorável para os trabalhadores, de ataque atrás de ataque aos direitos trabalhistas duramente conquistados. Neste ano, com a pandemia, temos muito mais desafios pela frente, mas continuamos fortes e empenhados nas negociações coletivas”, explica o tesoureiro da FEM/CUT e diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região, Adilson Faustino (Carpinha).

O presidente do Sindicato, Leandro Soares, lembra da importância de fechar acordos com as bancadas patronais, afirmando que “nossa expectativa, neste momento, é de que haja acordos ‘guarda-chuvas’, garantindo, assim, a manutenção dos direitos e conquistas da campanha salarial de forma mais ampla, para um número maior de trabalhadores”.

INFLAÇÃO ACUMULADA - Segundo o economista Fernando Lima, da subseção do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) dos Metalúrgicos de Sorocaba, o INPC de agosto foi impactado principalmente por causa do aumento dos preços dos combustíveis e da alimentação de domicílio. “Mas quando analisamos todo o acumulado, os efeitos da pandemia nos hábitos de consumo fizeram com que convivêssemos com um período atípico. Dessa forma, enquanto produtos ligados à alimentação do domicílio tiveram altas consideráveis, outros itens que compõem o indicador de inflação tiveram leve alta”, explica.

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar