Sexta-Feira, 18 de Setembro de 2020

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< CULTURA Governador nega retirada de referência a Cristo na divisão do tempo em livros Vídeo mostra professora explicando as substituições das siglas a.C. (antes de Cristo) e d.C. (depois de Cristo)

Publicada em 09/09/2020 às 22:18
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
Um vídeo que circula na Internet mostra uma professora afirmando que a ‘Secretaria’ (que seria a de Educação do Estado de São Paulo) decidiu abolir dos livros didáticos a referência a Jesus Cristo na divisão do tempo histórico. Segundo a professora que aparece no vídeo, as siglas a.C. (antes de Cristo) e d.C. (depois de Cristo), utilizadas com referência à divisão do tempo com base no calendário gregoriano, seriam substituídas por a.E.C. (antes da Era Comum) e E.C. (Era Comum). A mulher que aparece no vídeo que virilizou também nas redes sociais é Luize Coutinho, professora de História ligada à Secretaria de Educação e o ambiente que aparece no vídeo é o do Centro de Mídias da Educação de São Paulo, a plataforma de ensino remoto utilizada pelo Governo do Estado durante a pandemia do coronavírus, quando as aulas presenciais foram suspensas.
 
A professora explica a possível mudança: “Cristo é uma referência religiosa e a gente sabe que nem todas as religiões têm Cristo como referência e também tem tantas pessoas que não têm religião, então a gente prefere utilizar este termo (a.E.C. e E.C.) que é um pouco mais neutro, mas que significa a mesma coisa”.
 
O governador João Doria publicou em seu perfil no Facebook que o assunto não passa de fake news: “Puro oportunismo! Inacreditável até onde vai a capacidade de inventar mentiras para enganar a população. Em momento algum houve determinação por parte da nossa gestão para a exclusão de termos cristãos de livros na Rede Estadual de Ensino em São Paulo. Tenho na minha fé e em minhas orações a certeza de que o bem sempre vence o mal. Meu repúdio a mais uma fake news”.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar