Sexta-Feira, 18 de Setembro de 2020

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< ECONOMIA Cesta básica vai apresentando altas em Sorocaba Sétimo entre 26 de 34 itens pesquisados em alta, arroz assustou e teve o segundo maior aumento nas prateleiras em agosto

Publicada em 08/09/2020 às 20:17
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
(Foto: divulgação)

Em agosto, dos 34 itens pesquisados, mês a mês, pelo Laboratório de Ciências Sociais Aplicadas da Uniso (Universidade de Sorocaba) para a apuração do valor médio da cesta básica dos sorocabanos, 26 deles apresentaram alta no preço. Na totalização, seu valor no mês passado, quando comparado com o mesmo mês do ano anterior (agosto/2019), teve um aumento de 23%, ou seja, R$ 140,01 pagos a mais pelo consumidor; quando comparado com o mês anterior (julho/2020), o preço da cesta apresentou aumento de 3,80%, passando de R$ 721,47 para R$ 748,89, ou seja, R$ 27,42 pagos a mais pelo consumidor.

Entre os itens que apontaram maior aumento, está o óleo de soja (17%), passando de R$ 4,03 em julho para R$ 4,71 em agosto, justificado pelo encarecimento do seu principal insumo, a soja, diante da divulgação pelos Estados Unidos de possível queda de sua produção da soja nos próximos meses por conta de fatores climáticos. A quebra de safra esperada do maior produtor mundial, aliada à taxa de câmbio alta no Brasil, elevou a demanda internacional pela soja brasileira e, consequentemente, o seu preço no mercado doméstico.

Outro item que apresentou aumento de preço foi a linguiça fresca (10,8%), passando de R$ 17,27 para R$ 19,13 o quilo em agosto, com alta acumulada de 24,5% no ano. As fortes exportações de carne suína, em especial para a China, pressionaram o preço do principal insumo da linguiça fresca. Também depois de três quedas consecutivas, a carne de 1ª igualmente apresentou aumento (8,6%), passando de R$ 26,13 em julho para R$ 28,39/Kg em agosto - apesar da alta, a carne de 1ª acumula queda no ano (-9,1%). Por sua vez, a carne de 2ª apresentou alta de 6,9%, cotada a R$ 21,79/Kg em agosto ante R$ 20,40/Kg em julho. Ambas devido à menor oferta de animais para abate e ao aumento das exportações.

Apesar de o arroz ter sido apenas o sétimo item que teve maior aumento de preço em agosto (4,1%), foi o segundo item que mais contribuiu para a alta da cesta básica em agosto, atrás apenas da carne de 1ª. Isso ocorreu devido seu peso na metodologia de cálculo da cesta básica ser relevante, de modo que um pequeno aumento no seu custo acaba impactando significativamente os gastos do consumidor. A principal explicação para a alta foi a baixa oferta do cereal devido à redução da área plantada que, por sua vez, ocorreu porque os produtores tiveram baixa rentabilidade no ano anterior. No ano, o arroz acumula alta de 27,3%.

EM QUEDA - Por outro lado, o item que apresentou maior queda de preço foi a cebola (-21,5%), passando de R$ 6,40/Kg em julho para R$ 5,03/Kg em agosto. Em seguida, vem a batata (-12,1%), passando de R$ 4,58 para R$ 4,02. Tanto a batata, quanto a cebola apresentaram o terceiro mês consecutivo de queda, justificada pelo reflexo do maior ritmo de colheita das safras de inverno propiciado pelo clima favorável. Em terceiro lugar, aparece o alho (-4,1%): cotado a R$ 7,02/200g em agosto ante R$ 7,32 em julho, em sua primeira queda de preço no ano, impactada pelo aumento da oferta nacional, devido ao pico de colheita da região centro-oeste e sudeste e a queda de preço do alho importado da China.

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar