Sexta-Feira, 18 de Setembro de 2020

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< CULTURA Luciana Paes mostra espetáculo com olhar sobre o sentido do universo e Antônio Petrin traz drama sobre ser ator

Publicada em 18/08/2020 às 22:36
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR
Divulgação
O Sesc São Paulo, que promove desde maio, em tempos de isolamento social por conta da pandemia de Covid-19 a série Teatro #EmCasaComSesc, com a transmissão de diferentes trabalhos cênicos, direto da casa dos artistas, sempre às segundas, quartas, sextas e domingos, às 21h30, apresenta ao público esta semana os espetáculos “Olar Universo”, de Luciana Paes, e “Só os Doentes do Coração Deveriam Ser Atores”, de Antônio Petrin.
 
Com concepção, direção e atuação de Luciana Paes, integrante da Cia. Hiato, a peça “Olar Universo” será apresentada nesta quarta-feira (19). Os textos do espetáculo são livremente inspirados nos livros “A Breve História de Quase Tudo”, de Bill Bryson, e “Sapiens”, de Yuval Noah Harari, obras que trazem para o público temas científicos gerais sobre o Universo e as grandes perguntas feitas pelo homem. A direção de fotografia e operação de câmera é de Otávio Dantas e a trilha sonora de Kuki Stolarski.
 
Narra a história de uma mulher em quarentena em seu apartamento, que tenta entender por que o Universo se deu o trabalho de criá-la. Classificação indicativa: 12 anos.
 
ANTÔNIO PETRIN EM DESTAQUE - Na sexta-feira (21), o ator Antônio Petrin apresenta, então, “Só os Doentes do Coração Deveriam Ser Atores”, grande sucesso de público e crítica. Com mais de 50 anos de carreira, o ator volta a interpretar Jacek que, assim como ele, é um ator. Na peça, o ator polonês está às vésperas da estreia de uma montagem de Ricardo III, de Shakespeare, quando seus médicos o proíbem de continuar a trabalhar, pois sofre do coração. Para Jacek, encerrar sua carreira significa sua própria morte, tamanha sua vocação artística. Por isso, ele continua os ensaios. Atuar para ele é o que o faz estar vivo.
 
Inspirada no depoimento de um ator polonês cardíaco, transcrito no livro “Além das Ilhas Flutuantes”, do diretor teatral italiano Eugênio Barba, a peça foi escrita e é dirigida por Eduardo Figueiredo. A trilha foi criada exclusivamente para o espetáculo, com piano interpretado por Elaine Giacomelli. Classificação indicativa: 14 anos.
 
SERVIÇO – As apresentações de #EmCasaComSesc podem ser acompanhadas pelos canais digitais e redes sociais do Sesc São Paulo, incluindo o YouTube, de forma gratuita e irrestrita.

 

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar