Sexta-Feira, 22 de Novembro de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< ‘Escola Sem Partido’ tem debate na Câmara

Publicada em 24/09/2019 às 19:13
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

O Programa ‘Escola Sem Partido’, que se propõe a combater a doutrinação ideológica na Educação, foi tema de audiência pública realizada no Plenário da Câmara Municipal na noite de segunda-feira (23), por iniciativa do vereador Luís Santos (Pros) e com a participação, entre outros, dos deputados estaduais Danilo Balas e Douglas Garcia, ambos do PSL, e do presidente do Movimento Conservador, Edson Salomão. Em seu pronunciamento inicial, Luís Santos citou o sociólogo francês Émile Durkheim (1858-1917), considerado o ‘Pai da Sociologia’, que afirmou que “a escola não pode ser coisa de um partido e o professor faltaria a seu dever se pudesse usar sua autoridade para arrastar seus alunos ao sulco de suas simpatias pessoais, por mais justificadas que elas lhe pareçam”. “O professor tem que ser uma pessoa isenta, que se prende aos fatos, não um militante, a serviço de partidos. Infelizmente, a Universidade brasileira despreza o sábio alerta de Durkheim e presta um verdadeiro culto a Marx, através de sua obra ou da obra de seus discípulos, como Paulo Freire”, acrescentou o vereador, lembrando que, com isso, “o ensino foi reduzido a uma corrosiva ideologia desconstrucionista, que visa destruir a civilização, sobretudo através da nefasta ‘ideologia de gênero’, que não hesita em conturbar a mente das próprias crianças”.

Luís Santos é autor de projeto que institui, no âmbito do Sistema Municipal de Ensino, o Programa ‘Escola sem Partido’, em consonância com princípios como neutralidade política, ideológica e religiosa do Estado; pluralismo de ideias, liberdade de aprender e de ensinar e de consciência e de crença.

Outros convidados, como os deputados estaduais Danilo Balas e Douglas Garcia, também enfatizaram que o Movimento ‘Escola Sem Partido’ já é vitorioso, independentemente dos projetos de lei que tentam instituí-los nos sistemas de ensino, uma vez que – enfatizaram - o Movimento quebrou a hegemonia da esquerda no Ensino e colocou em discussão outros valores.

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar