Domingo, 15 de Setembro de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< ‘Há um Ponto de Luz na Imensidão’ chega à Biblioteca Municipal Mostra gratuita traz réplicas de edifícios da Floresta Nacional de Ipanema

Publicada em 05/09/2019 às 19:01
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Divulgação)

A exposição "Há um Ponto de Luz na Imensidão", que conta com réplicas de edificações, a maioria históricas, existentes na Floresta Nacional de Ipanema, em meio às ruinas da primeira siderúrgica implantada na América Latina há mais de dois séculos, a Real Fábrica de Ferro de São João do Ypanema, chega à Biblioteca Municipal, no Parque da Boa Vista, após temporada na Biblioteca ‘Aluísio de Almeida’, junto à ‘Cidade Universitária’ da Uniso, na Rodovia Raposo Tavarres, onde foi vista por mais de 2 mil pessoas.  A mostra é produto de projeto aprovado pela Lei de Incentivo à Cultura (Linc) do município de Sorocaba, edição de 2018, e permanecerá aberta à visitação pública no local até 21 de setembro.

As maquetes foram criadas pelas mãos do talentoso artista plástico Santiago Ribeiro.  Ele destaca, aliás, a importância das obras terem ficado um tempo em uma Universidade, em meio a estudantes, e agora seguirem à Biblioteca Municipal afirmando que "é muito importante levar essas exposições de caráter sócio-educativo para essas instituições de ensino, pois é justamente ali que é o epicentro de muitos jovens formadores de opiniões e a arte vai de encontro a fortalecer e incentivar esse processo de aprendizado independente da faixa etária".

 

AS MAQUETES - Ao todo, são cinco maquetes e 11 colagens de papel que ficarão à disposição do público. Na réplica do ‘Casarão das Armas Brancas’, por exemplo, o visitante poderá viajar na história. "Neste local, eram produzidos pregos, arames, baionetas, canhões, granadas e outras peças de artilharia usados na Guerra do Paraguai", explica Santiago, completando que historiadores divergem sobre a real data de construção desse casarão. “Afirmam que fora erguido bem depois da Guerra do Paraguai (1860-1865), entre os anos de 1890 e 1895 e que nem mesmo um canivete sequer saiu desse casarão monumental”.

Na obra ‘O Solar do Imperador’, o artista relembra a visita do jovem Dom Pedro II nos dias 19 e 20 de março de 1846 a Ipanema. "Como ele se interessava por assuntos científicos e tecnológicos, retornou outras vezes à Fazenda Ipanema. Foi construído um sobrado, posteriormente, para o Imperador", conta Santiago.

Ainda estão na mostra o Edifício  da Câmara e Cadeia, que tem como destaque o portão em homenagem à maioridade de Dom Pedro II, e os Altos-Fornos de Mursa e Varnhagem, assim como o primeiro cemitério protestante do Brasil. A maior maquete do artista nesta exposição é, porém, o ‘Casarão das Armas Brancas’, que mede 1,15 x 1,10 metros, e o grande obstáculo deste projeto foi justamente, segundo ele, em miniaturizar o complexo de construções com paredes de pedras, portas  e janelas imensas e um madeiramento de sustentação do telhado. "Meu auxiliar, o artista Edneu Abud, se encarregou de trabalhar esses madeiramentos e o resultado deste trabalho é impecável e impactante, bem próximo ao modelo real", acrescenta Santiago. 

Complementam a exposição colagens em papel de Africanidade, O Lobisomem, Quatro Destinos, O Monge, Noite em Ipanema, o meteoro, O Lobo-Guar, O Primata, Pequeno Grande Reino Encantado, A Espiã e A Revoada.

 

SERVIÇO – A Exposição "Há um ponto de luz na Imensidão" na Biblioteca Municipal, no Parque da Boa Vista, pode ser visitada das 8 às 16h50, de segunda à sexta-feira. Sábados, das 13 às 16h50.

 

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar