Terça-Feira, 10 de Dezembro de 2019

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< SAÚDE Alimentação pode estar repleta de alimentos vilões Frutas e alimentos podem bloquear benefícios quando consumidos em excesso ou de forma errada

Publicada em 08/08/2019 às 22:34
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Ideal é consumir a fruta in natura (Foto: Abr)
Manter uma boa alimentação, regada de frutas e hortaliças, somada a exercícios físicos é regra para quem busca saúde, ainda mais em uma geração em que taxas de obesidade têm crescido consideravelmente. De acordo com a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Riscos e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgada pelo Ministério da Saúde, o índice de obesidade no Brasil passou de 11,8% para 19,8%, entre 2006 e 2018. Contudo o que muitos não sabem é que nem tudo o que é considerado bom traz benefícios à saúde, quando consumido em excesso.
 
De acordo com a psicóloga e coach em emagrecimento, Aline Del Rio, tudo o que vem em grandes quantidades faz mal. “Por isso, temos de manter sempre o equilíbrio. É importante introduzir frutas na alimentação, porque concentram sais minerais, vitaminas e fibras. Elas podem trazer vários benefícios. Contudo, em grandes quantidades, pode acontecer o contrário e prejudicar o organismo, principalmente se ela vem em forma de suco, porque, assim, acabamos tirando totalmente as fibras, que nos ajudam a diminuir a absorção da frutose”, explica ressaltando que esse processo pode aumentar os riscos para problemas, como gordura no fígado e ácido úrico no sangue.
 
Aline afirma que não existe fruta vilã na alimentação. “Na verdade, existem as com índice glicêmico mais baixo, que colaboram com um processo de emagrecimento, e as com índices maiores. A mais famosa é a banana, rica em carboidrato. Porém podemos recorrer a algumas formas para consumi-la, sempre pensando no equilíbrio. Uma opção é a banana da terra, que tem um índice bem menor e pode ser preparada com canela.”
 
Já o consumo de açúcar, na maioria das vezes, torna-se viciante. Conforme Aline, estudos mostram que o vício em açúcar chega a ser maior que em algumas drogas. “A ingestão de muito açúcar vai aumentar o índice de glicemia, de insulina e posteriormente de gordura, já que o corpo não vai absorver esse açúcar como fonte de energia, provocando a obesidade. Uma das formas de a gente driblar essa necessidade do açúcar é consumindo as frutas in natura”, aconselha.
 
A tapioca, queridinha de muitos atletas, nada mais é que um carboidrato e, apesar de ser mais natural, em excesso, também pode causar acúmulo de gordura através do índice glicêmico maior. “No entanto há maneiras de consumir sem culpa. Entre um pão francês e uma tapioca, mil vezes a tapioca, porque, além de ser de uma fonte natural, ela não contém glúten e, como consequência, não provoca inchaços nem indisposição. Podemos prepará-la com um ovo, colocar sementes, como chia e linhaça e escolher recheios com mais proteínas”, orienta. Por sua vez, o alimento light geralmente tem cerca de 20% a menos de algum ingrediente na sua fórmula. Comparado ao original, ele pode ter menos gordura, por exemplo, mas na sua formulação podem acabar aumentando outro componente.
 
Aline reforça a importância de os pais começarem a introduzir alimentos in natura logo que as crianças começam a consumir comidas mais sólidas. “Em vez de oferecer uma papinha comprada, faça em casa, mais natural. Evite sabores mais gordurosos, com mais carboidrato. Desta forma, a criança vai se acostumar com o paladar e manter essa alimentação saudável sempre. Não há necessidade de a gente tirar tudo do cardápio, basta manter sempre o bom senso”, finaliza. 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar