Quinta-Feira, 22 de Novembro de 2018 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< BRASIL Haddad afirma que Bolsonaro não tem coragem de enfrentá-lo

Publicada em 24/10/2018 às 17:39
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Abr)
Às vésperas do segundo turno, o candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, fez críticas mais contundentes contra o adversário Jair Bolsonaro (PSL). O petista chamou Bolsonaro de “covarde” e “motivo de piada no exterior”. Ele voltou a cobrar a participação do adversário em debates e disse que Haddad não tem coragem de enfrentá-lo.
 
“Ele [Bolsonaro] não está aqui para dizer na minha cara, para dizer as mentiras que ele fala no WhatsApp”, afirmou. “Ele [Bolsonaro] não dá medo em ninguém, mas o que está por trás dele dá.”
 
Em entrevista à CBN do Rio de Janeiro, Haddad foi entrevistado pelo âncora Milton Jung que afirmou, em duas oportunidades, que Bolsonaro foi convidado a participar na emissora, mas assessores não responderam à proposta. “Jair Bolsonaro abriu mão”, disse o jornalista.
 
A cada pergunta feita, Haddad respondia com mais críticas a Bolsonaro. “Ele é um covarde que durante 28 anos não fez nada por esses assessores”, afirmou o candidato. “Nada de resultados.”
 
Justiça
 
Questionado sobre como reage ao fato de “colegas” dele, do PT, terem sido condenados pela Justiça, Haddad foi categórico. “Não eram colegas.” Perguntado especificamente sobre o ex-ministro José Dirceu, condenado a 30 anos e 9 meses de prisão na Operação Lava Jato e que cumpre pena em liberdade, respondeu: “Não era meu colega”.
 
Em seguida, o candidato afirmou que se houve erros por parte de integrantes do seu partido, eles devem ser punidos. “Se teve gente do PT que errou, eu vou ficar passando a mão na cabeça?”, reagiu. “Cada um que se defenda. Em anos de vida pública, nunca teve um que dissesse que deu dinheiro para o Haddad.”
 
Propostas
 
Haddad disse ainda que pretende inovar no combate à violência. Segundo ele, é necessário reforçar o contingente da Polícia Federal para assim reagir contra os grupos organizados que atuam no Brasil, com ramificações no exterior. “Vamos dividir tarefas”, disse o candidato, reiterando a importância das policiais Militar e Civil nos estados.
 
Para o petista, reduzir a maioridade penal não resolve o problema do envolvimento de crianças e adolescentes no crime. “Reduzir a maioridade penal não resolverá nada, as crianças vão começar a ser aliciadas pelo tráfico mais cedo ainda. O Bolsonaro não entende nada de segurança.”
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar