Sexta-Feira, 20 de Julho de 2018 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< CULTURA Selo Sesc lança o disco Tradição Improvisada

Publicada em 20/06/2018 às 18:28
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Divulgação)
O Selo Sesc está lançando neste mês de junho o álbum “Tradição Improvisada”, projeto do músico suíço Thomas Rohrer e do rabequeiro Nélson da Rabeca. Para o lançamento do disco, o Sesc Sorocaba promove neste sábado (23) o bate-papo “Tradição Improvisada – Uma conversa com Nélson da Rabeca e Thomas Rohrer” às 17h30 e na sequência, às 20 horas, os instrumentistas sobem ao palco do teatro da Unidade, no Jardim Faculdade, para um show onde apresentam as músicas do disco. Em texto para o encarte, o jornalista Tiago Mesquita antecipa o tom do disco: “Pode se dizer que Nélson da Rabeca esculpiu sua música. Descobrindo como fabricar, afinar e tocar a rabeca, instrumento que cunhou com as próprias mãos ao ver um violino pela televisão, o cortador de cana de Marechal Deodoro, interior das Alagoas, descobriu uma forma de viver intensamente pela música. Da parceria com o músico suíço Thomas Rohrer, profundo pesquisador da improvisação livre e da música nova, nasceu `Tradição Improvisada`”.
 
Ao lado da cantora e compositora Dona Benedita – que também assina como companheira de uma vida –, de Antônio Panda Gianfratti (percussão) e Célio Barros (trompa e rabecão), Seu Nélson e Thomas Rohrer (rabeca, sax soprano) travam uma contenda musical, trazendo xotes e baiões revestidos da linguagem e da interpretação do livre improviso. No disco e no show, a rabeca ganha contornos e sons ásperos, entremeados pela voz e letra de Dona Benedita e expressam encontros, amores e amizades entre gerações de músicos e amigos, entre a cultura popular e a improvisação livre, numa grande celebração sonora. A voz e os instrumentos lembram o carro de boi, os gritos roucos do dia de trabalho e o atrito entre madeiras, metais e rochas. No entanto, o modo como esses sons são articulados dão a eles um tom de celebração, de alegria incontida, como se com aquele pouco a vida pudesse se tornar uma festa interminável.
 
Apresentado ao instrumento pelo músico Zé Gomes, um dos mais importantes do Brasil, o saxofonista Thomas Rohrer conheceu a rabeca na década de 1990. O contato com o instrumento o apresentou timbres inusitados e um repertório rítmico saído do sertão nordestino. Quando pôde, Rohrer se aproximou do rabequeiro de Marechal Deodoro e dessa amizade nasceu a colaboração musical que resulta, agora, em `Tradição Improvisada´. Seu trabalho com a rabeca e o saxofone tem foco principal na improvisação livre, mas pode ser encontrado também no diálogo com a música tradicional brasileira; o músico integra o coletivo brasileiro de improvisação Abaetetuba. “Ao propiciar esses encontros festivos eternizados em registros sonoros, o Sesc contribui para o estímulo à produção de experiências estético-musicais, a difusão de vários aspectos da cultura brasileira e a manutenção da memória fonográfica, de maneira a construir novos sentidos a cada audição”, comenta o diretor regional do Sesc São Paulo, Danilo Santos Miranda. 
 
SERVIÇO – A entrada para o bate-papo “Tradição Improvisada - Uma conversa com Nélson da Rabeca e Thomas Rohrer” às 17h30 de sábado (23) é livre, com retirada de ingressos com 1 horas de antecedência, mas para o show com Nélson da Rabeca e Thomas Rohrer, com participações de Dona Benedita, Antônio Panda Gianfratti e Célio Barros às 20 horas, os ingressos custam R$ 17,00 (inteira), R$ 8,50 (meia-entrada para estudante, servidor da escola pública, pessoas com mais de 60 anos ou com deficiência e aposentados) e R$ 5,00 (credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes). À venda na Central de Atendimento da Unidade, à rua Barão de Piratininga, 555 – Jardim Faculdade.
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar