Segunda-Feira, 18 de Junho de 2018 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< CULTURA Depoimentos para fissurar a pele é apresentada na Uniso

Publicada em 11/06/2018 às 18:39
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Divulgação)

O espetáculo “Depoimentos para fissurar a pele”, do bailarino e coreógrafo Djalma Moura, tem apresentação única e gratuita nesta terça-feira (12), às 9h40, na Cidade Universitária/Uniso (Universidade de Sorocaba), na Rodovia Raposo Tavares. Às 11h30, o artista ministra uma oficina gratuita de dança e explica um pouco sobre o processo criativo que resultou neste espetáculo.  A proposta inicial do projeto era criar um corpo capaz de se transformar em bicho, como um bisão, búfalo ou outro ser que não apenas o ser humano. A partir deste ponto, o artista encontrou caminhos e poéticas negras, além de narrativas que dialogassem diretamente com o corpo negro e que mobilizassem o máximo do imaginário desse corpo. Desta forma, o coreógrafo chegou às mitologias e filosofias africanas. O projeto tem apoio do Proac/Primeiras Obras de Produção de Espetáculos e Temporada de Dança, da Secretaria de Estado da Cultura.

Os movimentos de palco concentram-se em seus arquétipos e analogias em relação à natureza – sejam elas dentro do aspecto animal ou de tempo, como os ventos, as tempestades, os raios, o búfalo: todos estes elementos utilizados como disparadores do processo criativo das danças e movimentos de “Depoimentos para fissurar a pele”. O vento transforma-se e para senti-lo é preciso receber Oya – Iansã e toda sua carga de revolução e resistência. “A incorporação ou invenção de Iansã é pensada a partir das modificações dos estados corporais. Uso da respiração como combustível para o movimento” explica Djalma, que arquiteta este projeto desde 2015. No palco, estarão ele e o músico e artista Leandro Perez, cuidando de toda a percussão que permeia a dança. O músico será peça fundamental para a dramaturgia do trabalho que constrói junto ao bailarino todo estado de cena, o clima e as propostas sonoras que proporcionarão tempero especial ao espetáculo através dos atabaques e dos ganzás e caxixis.

OFICINA - Além do espetáculo, o projeto tem oficinas gratuitas. A oficina "Depoimentos para fissurar a pele" com Djalma Moura, tem como premissa compartilhar os procedimentos de criação que construíram a obra coreográfica, passando pelas Danças Contemporâneas banhadas pelas simbologias e arquétipos de Iansã, exercícios de respiração, deslocamentos, transformações de qualidades corporais e composição coreográfica. É público-alvo da oficina artistas da dança, do corpo, estudantes e interessados no geral. Duração: 2 horas.

 

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar