Quinta-Feira, 13 de Dezembro de 2018 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< EDUCAÇÃO Preparação é base para sucesso em redação de vestibulares Falta de conhecimento sobre assuntos e dificuldades na interpretação de temas são apontadas como principais problemas na hora de escrever

Publicada em 10/04/2018 às 19:05
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Divulgação)
Determinante para o ingresso no ensino superior, a redação é parte obrigatória na maioria dos vestibulares e, principalmente, no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), prova que abre as portas para instituições públicas. Por exigir preparação e conteúdo para argumentos, é a redação que, quando mal escrita, acaba dificultando a vida de muitos estudantes.
 
De acordo com dados do Ministério da Educação, houve um aumento significativo de redações nota zero no Enem 2017, quando comparado ao de 2016. Com 4.725.330 provas corrigidas em 2017, foram 309.157 notas zero e apenas 53 redações notas mil. Já na edição de 2016, foram 291.806 notas zero e 77 notas mil, em um total de 6.034.672 provas corrigidas.
 
A dificuldade dos alunos na elaboração de uma redação é acompanhada de perto por Carolina Boddy, diretora-geral da Bem Mais Ensino Personalizado. Ela conta que, mesmo após 12 anos de educação básica obrigatória, o estudante ainda possui várias dificuldades ao escrever um texto, seja dissertativo ou narrativo. “E isso vai da falta de domínio ortográfico e gramatical, como concordância, regência e pontuação, até a forma de se colocar como um sujeito que tem algo a comunicar”, pontua.
 
Os temas sugeridos em vestibulares também são destacados por Carolina, já que, segundo ela, os alunos têm mostrado pouco ou nenhum conhecimento sobre assuntos que, em sua maioria, são de alta relevância social. “Essa falta de conhecimento leva a redação a uma fragilidade e até incoerência. É como se o aluno tivesse de pensar no assunto em poucos minutos e escrever”, diz a professora frisando, ainda, que muitos deixam para pensar na redação apenas no último ano do Ensino Médio. “Escrever bem é um processo lento, que demanda acúmulo de informações, treino, técnica e maturidade. Ou seja, quanto antes as escolas e as famílias iniciarem esse preparo, melhor.”
 
Essa ideia é compartilhada pelo professor de redação, Luiz Pierotti, que também atua na Bem Mais Ensino Personalizado. Ele ressalta que não há uma idade certa para se iniciar uma preparação nos estudos desde que esta seja feita de forma suave e prazerosa. “Livros infantis, contar histórias, brincar de criar pequenas narrativas, todas são atividades que divertem a criança e criam alicerces para a produção textual, não se limitando apenas a uma prova, mas trazendo benefícios para o resto de suas vidas. Agir de forma autoritária, com textos difíceis e sempre ligados a obrigatoriedade, irá apenas afastá-los da leitura.”  
 
Pierotti frisa, ainda, que as dificuldades que um aluno irá enfrentar durante o processo de escrita de uma redação dependerão sempre da familiaridade que ele terá com o ato da escrita e da leitura. De modo geral, o professor aponta três dificuldades sendo as mais comuns: iniciar a redação, organizar ideias e superar o nervosismo durante o processo.
 
Fora isso, o processo de interpretação do tema interfere em todo o processo de escrita. “Por vezes, o aluno não interpreta corretamente o tema central proposto. Tal dificuldade provém do déficit de leitura. Construir um hábito de leitura em seu dia a dia traz diversos benefícios, sendo um deles a melhora significante nos processos de interpretação textual”, aconselha o professor.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar