Segunda-Feira, 23 de Abril de 2018 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< SOROCABA Tumulto marca adiamento de título a Bolsonaro Martinez pede retirada de projeto polêmico, pelo menos, até outubro, depois das eleições presidenciais

Publicada em 10/04/2018 às 18:28
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Germano Schonfelder)
Projeto de decreto legislativo concedendo o título de Cidadão Sorocabano ao deputado federal Jair Messias Bolsonaro, do Rio de Janeiro, virtual candidato à Presidência da República pelo PSL, apresentado pelo vereador Pastor Luís Santos (Pros), levou polêmica e confusão à sessão desta terça-feira (10) da Câmara Municipal. Estrategicamente, porém, foi logo retirado de pauta a pedido do vereador José Francisco Martinez (PSDB). O autor chegou a defender a manutenção da proposta em pauta, mas o pedido de retirada da matéria foi aprovado pelos vereadores. Segundo o presidente da Casa, Rodrigo Manga (DEM), o projeto deve retornar à pauta somente após as eleições presidenciais em outubro.
 
Manifestantes contrários à proposta de concessão de Cidadania a Bolsonaro, inclusive portando bandeiras de grupos de esquerda, com destaque à comunidade LGBT, desde o início da sessão se faziam presentes em número significativo nas galerias do Legislativo, dividindo espaço com simpatizantes do deputado de extrema direita, para acompanhar a votação. 
 
Por ironia, manifestantes contra Bolsonaro tomaram as cadeiras do auditório do lado direito. Alguns que apoiavam a homenagem ao deputado carioca, conhecido pelo discurso extremo contra minorias da sociedade, ficaram no canto de fundo do lado esquerdo. A sessão demorou a começar, atrasando seu início em mais de meia hora e os dois lados logo começaram a se estranhar, com rispidez uns com os outros. Em certo momento a Guarda Civil Municipal (GCM) chegou a retirar a força dois manifestantes do local: um contra Bolsonaro, na truculência, e outro a favor, usando de força física moderada.
 
Os vereadores Iara Bernardi e Francisco França, ambos do PT, chegaram até os manifestantes dos dois lados para pedir calma antes da apreciação da matéria polêmica. A sessão chegou a ser suspensa por alguns momentos, mas foi retomada e transcorreu-se agitada, em meio a gritos e palavras de ordem a favor e contra a concessão do título de Cidadania. O presidente Rodrigo Manga nem chegou a ler por completo o texto do projeto de Luís Santos, pois Martinez foi rápido e pediu que fosse retirado, engavetado pelo menos até as eleições de outubro. Em certo momento, Luís Santos chegou, inclusive, a bater boca com França, que também se posicionou abertamente contra a concessão do título.
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar