Sábado, 23 de Junho de 2018 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< POLÍCIA Guardas municipais vão atuar no combate ao Trabalho Infantil

Publicada em 26/03/2018 às 18:20
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Divulgação)
Foi realizado nesta segunda-feira (26), no Salão de Vidro do Paço Municipal, um evento com o objetivo de apresentar propostas que fomentem a erradicação do trabalho infantil e ações que promovam o cumprimento da Lei da Aprendizagem em Sorocaba. O encontro foi resultado de uma parceria entre a Prefeitura, através da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Civil, e o Ministério Público do Trabalho. Além do secretário Fernando Dini, também participaram a secretária de Igualdade e Assistência Social, Cíntia de Almeida; o vereador Péricles Régis; o gerente regional do Trabalho, dr. Rodolfo Casagrande; o desembargador do Tribunal Regional do Trabalho/TRT da 14ª Região/Campinas, dr. João Batista Martins César; e a presidente do CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente), Úrsula Jacinto Medeiros. Além de outras autoridades, o evento ainda contou com a participação de representantes de nove Guardas Civis Municipais da Região Metropolitana de Sorocaba.
 
Apesar de ser voltado para toda a população, o evento tem como papel fundamental orientar e direcionar os guardas civis municipais no atendimento aos casos de trabalho infantil que são flagrados. “Nossa intenção é de erradicar esse tipo de atividade em Sorocaba e só teremos isso a partir do momento em que estivermos plenamente capacitados para atender as ocorrências e podermos contar com o apoio da população, através das denúncias anônimas pelo telefone 153 ou 190”, destaca o secretário de Segurança e Defesa Civil, Fernando Dini.
 
O desembargador João Batista Martins César ressaltou a importância de se orientar e dar novo caminho às crianças que trabalham, principalmente nas ruas. “É comum vermos crianças em semáforos, tentando vender vários produtos, deixando o estudo e o futuro da sua vida de lado. Primeiro, precisamos parar de colaborar com esse ciclo. Não devemos dar esmolas ou comprar produtos em semáforos e cruzamentos. Segundo, precisamos dar assistência a essas crianças, para que consigam o direito de ter uma infância saudável e produtiva”, afirmou.
 
Já Rodolfo Casagrande falou sobre a caracterização, limites e possibilidades da aprendizagem, os desafios para a eficácia da Lei do Aprendiz, experiências e boas práticas e a educação e aprendizagem como instrumentos de combate ao trabalho infantil. “Temos que estudar e trazer soluções para os problemas emergenciais e crônicos. Mais do que isso, a sociedade precisa ter o papel fundamental, junto aos órgãos públicos, para que o destino dessas crianças seja modificado para melhor”, citou.
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar