Quarta-Feira, 21 de Fevereiro de 2018 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< SAÚDE Órgãos de macaco vão para análise em São Paulo Animal foi achado morto na zona oeste de Sorocaba

Publicada em 22/01/2018 às 22:35
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Diferente dos saguis, os bugios são mais propícios à febre amarela (Foto: Divulgação)
Os rgos do macaco da espcie sagui, encontrado morto no sbado (20), na Avenida Santa Cruz, zona oeste de Sorocaba, foram enviados nesta segunda-feira (22) pela Diviso de Zoonoses para anlise no Instituto Adolfo Lutz, em So Paulo. O laudo demora aproximadamente 10 dias para confirmar a causa da morte. At o momento, a cidade no apresenta registro de febre amarela.
O macaco foi encontrado morto em uma caixa de papelo. Segundo a Zoonoses, os olhos e a gengiva do primata estavam brancos, caracterstica diferente dos animais infectados com a febre amarela; pois estes apresentam essas partes amareladas. Alm disso, a doena menos propcia em saguis e mais comum em bugios, porm importante destacar que esses animais no so responsveis pela transmisso da doena.
A informao foi recebida atravs de chamada registrada pelo telefone 199 da Defesa Civil, s 20h40. A Diviso de Zoonoses, com o apoio da Defesa Civil, foi ao local e recolheu o animal para necropsia.
A febre amarela uma doena infecciosa febril aguda, causada por um vrus transmitido por mosquitos vetores, e possui dois ciclos de transmisso, o silvestre, quando h transmisso em rea rural ou de floresta, e o urbano.
No ciclo silvestre, macacos infectados pela doena so picados pelos mosquitos Haemagogus e o Sabethes. Aps a picada, esses mosquitos passam a carregar o vrus e podem transmitir a doena aos cidados que se aproximam das reas de matas. Caso alguma pessoa seja picada e contaminada, ao se dirigir rea urbanizada, corre o risco de se iniciar o ciclo urbano.
J o outro ciclo tem incio quando o indivduo contaminado picado pelo mosquito Aedes Aegypti, o mesmo que transmite a Dengue, Chicungunha e Zika, e se inicia uma contaminao em massa pelas cidades. A febre amarela urbana no existe no Brasil desde 1942. Para que continue inexistente importante que a populao conscientize-se do problema e combata os focos de acmulo de gua, que so os locais propcios para a criao do mosquito transmissor.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar