Quarta-Feira, 20 de Junho de 2018 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< SOROCABA Apenas 5 escolas de samba estarão na passarela este ano Impasses administrativos e falta de recursos financeiros novamente comprometem festejos momísticos. De acordo com secretário da Cultura, repasses não podem ser feitos diretamente às agremiações carnavalescas pela

Publicada em 13/01/2018 às 22:18
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Germano Schonfelder)
CARNAVAL DE RUA
 
O Carnaval é uma festa muito aguardada pelos brasileiros. Para uns, o importante é a folia, a diversão; para outros, o esforço recompensado, já que trabalham em função do evento durante todo o ano, como as escolas de samba, e, no último grupo, aparecem aqueles que só esperam pelo descanso do final de semana prolongado possibilitado pelas comemorações momísticas. Porém, novamente este ano, para o sorocabano, a festa será outra vez um pouco diferente, também em relação ao ano passado, quando em meio a outros tantos problemas desfilaram 10 escolas no tradicional Carnaval de Rua da cidade. Para 2018, somente cinco delas confirmaram presença, além de dois grandes nomes que já disseram que não participarão: Estrela da Vila e 28 de Setembro.
 
De acordo com o secretário de Cultura e Turismo da Prefeitura, Werinton Kermes, existe uma série de requisitos que as escolas de samba precisam cumprir para participar do Carnaval sorocabano. “Foi aberto um edital, pela Prefeitura, para que as escolas de samba de Sorocaba interessadas em desfilar em 2018 pudessem fazer suas inscrições. E das 11 escolas de samba que temos na cidade, apenas cinco apresentaram a inscrição formal com o interesse de participar do desfile, que acontece agora dia 13 de fevereiro, terça-feira gorda de Carnaval”, informa Werinton. A `passarela do samba´ será outra vez armada na avenida em frente à Prefeitura, a Engenheiro Carlos Reinaldo Mendes.
 
O secretário explica que antes havia um repasse de verba municipal diretamente às escolas de samba, via Lisobes (Liga Sorocabana dos Blocos e Escolas de Samba), mas ele foi suspenso há cerca de dois anos, por problemas na prestação de contas apontados pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado). “O Poder Público municipal não pode fazer nenhum tipo de repasse de verbas para essa Liga. E a representante legal das escolas de samba da cidade seria a Liga, já que a Prefeitura não pode passar a verba diretamente para as escolas”, reconhece Werinton.
 
Essa decisão sobre o corte de repasse de verbas aconteceu no dia 3 de dezembro de 2015, quando houve uma reunião entre a Prefeitura e as escolas de samba. O motivo aventado na época, em administração passada, era a crise econômica que o País começava a enfrentar, mas também o rompimento de nove das onze escolas com a Lisobes e outros problemas complicaram a situação.
 
Sobre isso, Edson Cásar Leite, conhecido como Edson Negracha, conta que foi criada uma Comissão Provisória de Carnaval, da qual ele é presidente, para auxiliar a Liga no Carnaval de 2018. Criada por representantes das escolas de samba de Sorocaba em meados de 2017, essa Comissão Provisória tem como função organizar os desfiles e promover a intermediação entre as agremiações e a Secretaria de Cultura e Turismo. Sua função é auxiliar a Liga na prestação de contas para que, com as irregularidades sanadas, a entidade possa voltar a receber a verba pública destinada a isso. “Eu entendo que se cogitou a possibilidade de um repasse, porém todos sabiam dessa impossibilidade; o comprometimento é que o secretário de Cultura iria trabalhar para que isso pudesse acontecer, mas, de fato, todas as escolas de samba sabiam desse impedimento legal e jurídico pelo qual a Liga passa”, reconhece Edson Negracha, historiando que os problemas começaram com a gestão de 2014, pois ela cometeu alguns erros na prestação de contas e isso vem impedindo o Carnaval de 2016 e 2017. “Em 2015, ainda aconteceu o desfile carnavalesco com repasse da Prefeitura para as escolas, mas em 2016 isso já não pôde acontecer”, explica.
 
O CARNAVAL DE RUA´2018 - No próximo dia 20, sábado que vem, será a eleição da nova Corte Carnavalesca, pois não há Carnaval de Rua sem ela. “Apesar das desistências de algumas escolas de samba, a gente vai tentar fazer um bom trabalho”, pontua ainda Edson Negracha, confirmando as escolas que estarão na `passarela do samba´ na terça-feira gorda de Carnaval: “Unidos do Cativeiro”, “Furiosa Real”, “Gaviões da Fiel”, “Mocidade Independente” e, depois de uma pausa de 24 anos sem desfilar, a tradicional “III Centenário”. Assim, pouco antes do fechamento do período de inscrições para as escolas que desfilarão no Carnaval´2018, duas tradicionais escolas sorocabanas oficializaram suas desistências, a 28 de Setembro e a Estrela da Vila, com reduto na Vila Fiore. Ambas alegaram o mesmo problema, a falta de recurso. A primeira a anunciar a desistência foi a Escola de Samba “28 de Setembro”, a mais antiga e maior vencedora do Carnaval sorocabano, com 20 títulos.
 
Negracha explica que a decisão dessas escolas é respeitada, pois fazer um bom trabalho é fundamental. “Entendemos que essas escolas que estão desistindo queriam fazer um trabalho bonito e estão deixando a passarela este ano justamente em função das dificuldades financeiras, pois, nessas condições não conseguiriam apresentar esse trabalho”. O secretário de Cultura e Turismo, porém, lamenta, pois, para ele, o Carnaval sorocabano é um dos pilares fundamentais na cultura da cidade. “O Carnaval, acima de tudo, é um produto cultural. Ele não é só a festa, a alegria, a música; o Carnaval é uma ação de conceito cultural, que envolve música, envolve figurino e outros aspectos da arte e da cultura. Então, o benefício para nossa cidade é o produto cultural que é o Carnaval e o que ele representa para Sorocaba”, afirma.
 
O CARNAVAL 2019 – Negrecha conta também que a Lisobes criou um departamento jurídico e está trabalhando para que todas as pendências sejam resolvidas até o ano que vem. “Está sendo trabalhado sobre isso e esperamos que em 2019 não tenhamos mais estes problemas, para que possa haver um Carnaval à altura da cidade”, afirma. Como conselho, Werinton diz que a receita para um Carnaval 2019 melhor, com mais escolas participando, são ações. “As escolas de samba precisam se organizar em ações, para que possam conseguir recursos próprios para participar do desfile no ano que vem. Se tudo estiver esclarecido com a Liga, podemos também dar o auxílio municipal e a festa será como deve ser: sensacional”, conclui esperançoso o secretário.
 
Blocos podem ajudar a alavancar Carnaval 2018
 
No ano passado, pensando em uma nova alternativa para se divertir, um grupo de amigos criou o bloco de Carnaval “Sem grana, mas com Glitter”. De acordo com Diego da Silva, responsável pela área de eventos do Caneca Sorocaba, que é um coletivo forte na cidade, a ideia foi um sucesso. “A adesão ao projeto foi tão grande que precisamos realizar diversas parcerias para certificar que todo o evento fosse seguro, além de garantir a diversão de quem participasse. Logo após o término do evento, o retorno para o ano de 2018 já foi solicitado”, comemora Diego, lembrando que existe, contudo, uma pequena burocracia para colocar o bloco na rua, inclusive por questões financeiras também, para garantir que ele seja atrativo. “São necessárias providências como locação de ambulâncias, materiais para o evento e autorizações dos órgãos públicos, para que, então, seja possível aproveitar esse incrível momento”, explica.
 
Sobre os `bloquinhos´, o secretário de Cultura e Turismo do Município, o jornalista Werinton Kermes, reconhece que eles são manifestações independentes, porém há uma tentativa de contato entre o Poder Público e essas organizações. “A Secretaria de Cultura tenta fazer uma aproximação com os blocos, mas existe uma regulamentação na questão da segurança, visto que os blocos, muitas das vezes, acabam crescendo muito e não conseguimos organizar, porque se trata de manifestação e movimentação livre. Então, até as próprias autoridades policiais acabam tendo restrições com os blocos, pelos problemas que já foram causados no período de Carnaval”, explica.
 
Werinton acrescenta que nos blocos podem acontecer muitas coisas e que é necessária uma fiscalização, que eles ainda não conseguem fazer. “Quem não se lembra de imagens, produzidas pela mídia de Sorocaba, de menores ou até crianças, ao final dos blocos, em coma alcoólico? Depois que essas coisas começaram a acontecer, começou uma regulamentação maior, mas mesmo assim estamos tentando nos aproximar deles, porque gostaríamos de tê-los na `passarela do samba´, que será montada em frente ao Paço Municipal, no Parque da Boa Vista”, esclarece.
 
Os blocos de Carnaval não são prejudicados pelos repasses de verba, pois são realizados com apoiadores privados, sem depender de dinheiro público.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar