Segunda-Feira, 18 de Junho de 2018 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< SOROCABA Município sofre com falta de serviço 24 horas de verificação de óbito

Publicada em 09/01/2018 às 19:02
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

O vereador Wanderley Diogo (PRP) está cobrando da Secretaria da Saúde do Estado o atendimento  do Serviço de Verificação de Óbito (SVO) em Sorocaba durante 24 horas ou que, ao menos, passe a funcionar nos finais de semana e feriados para que a população não seja desrespeitada com a falta deste serviço. "Este pedido é um apelo da população sorocabana, que é totalmente desrespeitada com a falta deste serviço", desabafa Diogo. 
 
No último final de semana, o vereador acompanhou o caso de um homem de 57 anos que faleceu no domingo (7)  e o corpo só foi liberado para o velório 24 horas depois, na segunda-feira (8). Wanderley Diogo prestou assistência à família durante todo o tempo e chegou até a ir, ainda na madrugada de segunda-feira, até a sede do SVO para conversar com algum responsável pelo serviço, mas sem sucesso. “Foi uma experiência muito traumatizante para mim como vereador; imagina, então, como ficou a família", indaga o vereador. 
 
O SVO - O SVO é responsável por liberar corpos que tiveram mortes consideradas indefinidas em unidades de saúde e é gerido pela Secretaria Estadual de Saúde, como sede junto ao Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS). Em 2015, a Justiça determinou que o Governo do Estado disponibilizasse funcionários ao SVO também aos finais de semana, para evitar esse tipo de situação, o que não ocorreu.
 
“Não é de hoje que familiares de pessoas falecidas reclamam da precariedade do atendimento do Serviço de Verificação de Óbito (SVO) em Sorocaba, devido ao fato justamente de não funcionar aos finais de semana e feriados”, relembra o vereador.
 
Atualmente, se ocorrer falecimento na sexta-feira ou feriado prolongado e o corpo precise ser encaminhado para realizar necropsia no SVO, o mesmo será liberado para velório e sepultamento somente no dia útil subsequente, causando transtornos e muito sofrimento a todos. "Isso é um absurdo: uma cidade com quase 700 mil habitantes, sede de Região Metropolitana, não pode ficar sem esse serviço nos fins de semana. Esse atendimento tem que ser 24 horas", enfatiza Diogo. 
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar