Sábado, 23 de Junho de 2018 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< CULTURA CineCafé apresenta mostra sobre sexualidade este mês

Publicada em 02/01/2018 às 18:31
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Divulgação)
O tradicional CineCafé que o Sesc Sorocaba apresenta às terças-feiras terá neste mês de janeiro a apresentação de uma mostra sobre sexualidade e identidade de gênero, temas estes que serão abordados sob diversas óticas: na adolescência, na religiosidade, na política e nas artes. Todas as exibições às 19 horas e são gratuitas. Os interessados devem retirar os ingressos com uma hora de antecedência na Central de Atendimento da Unidade, à rua Barão de Piratininga, 555, no Jardim Faculdade.
O filme que abre a mostra na próxima terça-feira, dia 9, é “Azul é a Cor Mais Quente” (direção de Abdellatif Kechiche. França, 2013, 177 minutos de duração). O longa conta a história de Adèle, uma garota de 15 anos que descobre, na cor azul dos cabelos de Emma, sua primeira paixão por outra mulher. Sem poder revelar a ninguém seus desejos, ela se entrega por completo a este amor secreto, enquanto trava uma guerra com sua família e com a moral vigente. A classificação indicativa é 18 anos.
 
O filme “O Padre” (direção de Antonia Bird, Irlanda/Reino Unido, 1995. 105 minutos) será exibido no dia 16. Nele é contada a história de Greg Pilkington, um padre homossexual que, apesar de seus desejos sexuais, leva a sério seus votos religiosos. Quando uma jovem lhe confessa que seu pai a abusa sexualmente, Pilkington sente que precisa quebrar o sigilo da confissão para parar o abuso. Atormentado com essas situações, o sacerdote é obrigado a confrontar seu lado humano, a sua religiosidade e a sociedade em que convive. A classificação indicativa é para 14 anos.
 
Já no dia 23, o filme a ser exibido é “Milk - A Voz da Igualdade” (direção: Gus Van Saint, EUA, 2008. 128 minutos). O longa é uma cinebiografia de Harvey Milk, o primeiro gay assumido a alcançar um cargo público importante nos Estados Unidos. Assassinado cruelmente, Milk militou em pró da causa gay e conseguiu grandes avanços na conquista de direitos em plena década de 1970. A classificação indicativa é 16 anos.
 
A exibição que encerra a mostra é “Meu Corpo é Político” (direção Alice Riff, Brasil, 2017,72 minutos), no dia 30. Vivenciado o dia a dia ao lado de diversos ativistas LGBT moradores das periferias de São Paulo, o documentário faz um panorama do contexto social em que os personagens estão inseridos e de que forma sua atuação age nas ruas. Além disso, levanta questões sobre a população trans no Brasil e suas disputas políticas. A classificação indicativa é 16 anos.
 
Após cada sessão (exceto no dia 9) acontece o “Cinema em Reflexão”, onde o cineasta Marcelo Domingues discute com o público os aspectos técnicos e teóricos dos filmes apresentados.
 
 
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar