Terça-Feira, 19 de Junho de 2018 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< AGENDA CULTURAL Aparecidinha despede-se da Santa

Publicada em 29/12/2017 às 19:08
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Divulgação)
IGREJA
 
O histórico Santuário Arquidiocesano de Nossa Senhora Aparecida, no bairro de Aparecidinha, distante mais de 17 quilômetros do centro da cidade, abre suas portas às 9 horas deste domingo (31), para a vigília de despedida da imagem da Santa, que secularmente na manhã do primeiro dia de Ano Novo é trazida em romaria para a Catedral Metropolitana de Sorocaba. Essa vigília segue ininterruptamente até às 4h30 da madrugada de 1º de janeiro (às 20 horas de amanhã haverá missa de ação de graças pela passagem de ano no bairro, no Santuário Novo); nesse horário, o andor com a imagem da Virgem Aparecida será trasladado do Santuário histórico para o Santuário Novo, onde às 5 horas o arcebispo metropolitano de Sorocaba, dom Julio Endi Akamine, SAC, inicia a celebração da missa que marca o início da romaria rumo ao Centro, numa tradição que se repete em 2018 pela 119º vez consecutiva no dia de Ano Bom. Na verdade, porém, as romarias entre o bairro de Aparecidinha, o antigo Piragibu do Meio, e o centro urbano de Sorocaba são bem mais antigas, como aparece nos escritos históricos de Aluísio de Almeida (monsenhor Luiz Castanho de Almeida), perdendo-se nos anos finais do século XVIII e atravessando o século XIX, mesmo se foi só em 1899 que o então pároco da Matriz, monsenhor João Soares, fixou as datas de 1º de janeiro e do segundo domingo de julho para sua realização anual, num gesto de fé e devoção filial à Virgem Santíssima em meio à terrível epidemia de gripe espanhola que dizimava os sorocabanos.
 
A procissão deixará o bairro de Aparecidinha por volta das 6 horas de segunda-feira, 1º de janeiro, ao final da missa, desta feita tendo entre os devotos caminhantes, como simples romeiro, o próprio arcebispo dom Julio Endi Akamine, como já aconteceu no último segundo domingo de julho, quando do retorno da Santa a seu Santuário de origem.  São quase 5 horas de caminhada conduzindo a veneranda imagem da Virgem Aparecida (considerada a primeira cópia daquela encontrada pelos pescadores nas águas do rio Paraíba, antecedendo pesca milagrosa, em outubro de 1717, esculpida em pequeno tronco de árvore por um dos próprios pescadores e trazida por tropeiros do Vale do Paraíba, que a deixaram na localidade então conhecida como Piragibu do Meio, onde cresceu a devoção). 
 
Boa parte do trajeto dos mais de 17 quilômetros é feita em estrada de chão batido, que os romeiros. Pela estrada velha de Aparecidinha, logo os romeiros adentram pela avenida 3 de Março ao Alto da Boa Vista, continuando a peregrinação pelas avenidas Engenheiro Carlos Reinaldo Mendes, Yashica e São Paulo. Paradas tradicionais, em meio a orações e cânticos em honra à Santa Mãe de Deus, acontecem junto à igreja matriz de Santo Antônio, do bairro da Árvore Grande, e à Santa Casa de Misericórdia, nos altos da avenida São Paulo, esta um pouco mais demorada para que a imagem da Virgem Santíssima, percorrendo os corredores do hospital, possa abençoar os enfermos ali internados na passagem do ano. Em seguida, a romaria prossegue rumo à Catedral Metropolitana. Vencida a subida final das ruas XV de Novembro e São Bento, a estimativa do pároco da Sé Metropolitana, padre Tadeu Rocha Moraes, é de que entre 10h30 e 11 horas a procissão já estará adentrando à praça Coronel Fernando Prestes, onde novamente o próprio arcebispo dom Julio Endi Akamine presidirá a celebração de nova missa de ação de graças na igreja da Catedral da Senhora da Ponte, marcando a chegada da Santa, na solenidade litúrgica em honra à Santa Maria, Mãe de Deus, e também Dia Mundial da Paz, que neste 1º de janeiro de 2018 tem como tema proposto pelo papa Francisco “Migrantes e refugiados: homens e mulheres em busca de paz”. Nele o Santo Padre chama a atenção para a situação dos mais de 250 milhões de migrantes no mundo, dos quais 22 milhões e meio são refugiados. “Com espírito de misericórdia, abraçamos todos aqueles que fogem da guerra e da fome ou se veem constrangidos a deixar a própria terra por causa de discriminações, perseguições, pobreza e degradação ambiental”, afirma o papa Francisco em sua mensagem para este Dia Mundial da Paz´2018.
 
AÇÂO DE GRAÇAS – Por outro lado, neste domingo (31 de dezembro), o arcebispo de Sorocaba, dom Julio Endi Akamine, SAC, também estará na Catedral Metropolitana, no Centro, onde às 20 horas, ao lado do padre Tadeu Rocha Moraes, preside ali solene `Te Deum´, missa de ação de graças pelo findar do ano de 2017 e chegada do ano novo de 2018.
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar