Segunda-Feira, 18 de Junho de 2018 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< POLÍCIA Natal de 2017 foi um dos mais violentos já ocorridos na cidade Assassinatos por dívida e feminicídio marcaram data festiva

Publicada em 27/12/2017 às 18:16
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Germano Schonfelder)
O Natal em Sorocaba deste ano foi um dos mais violentos que já ocorreram em Sorocaba. Foram três assassinatos, um bebê abandonado e uma mulher espancada e internada em estado grave. Um homem foi esfaqueado até a morte na Zona Norte na noite de terça-feira, dia 26. Nilton Almeida de Camargo, 46 anos, foi morto em uma casa na rua José Lamberti, no Jardim Guaíba. Ele teria ido cobrar uma dívida, armado com uma faca. O devedor seria J.G.A., que reagiu, lutou e matou Nilton. Ele fugiu e ainda não foi preso. Horas antes, o ex-companheiro de uma mulher, inconformado com a separação, a matou com várias facadas, na Zona Leste, próximo à rua Cel. Nogueira Padilha. No dia de Natal, o corpo de uma mulher foi encontrado boiando na represa de Itupararanga. Horas antes, a filhinha da moça foi achada abandonada em um bairro de Sorocaba, o Jardim Novo Eldorado. Fazia anos que a cidade não registrava crimes de natureza tão grave e violenta em plena época natalina; geralmente, a chegada de Ano Novo, a virada, concentra mais casos do gênero.
 
De janeiro até o mês passado, foram 50 pessoas assassinadas em Sorocaba e 46 tentativas de homicídio registradas. Em 2016, os números totais foram de 62 casos de homicídio e 57 tentativas de homicídio. O ano mais violento de todos nos registros policiais foi o de 2002, com 133 pessoas mortas por aqui.
 
OS CASOS CHOCANTES DO PERÍODO NATALINO - O caso mais recente de assassinato ocorreu por volta das 20h36 de anteontem. Nilton chegou na casa do Jardim Guaíba para cobrar J.G.A.. Eles tinham uma dívida e começaram a brigar. Nilton sacou uma faca, segundo dados da Polícia, porém J. conseguiu se apoderar dela e desferiu golpes no pescoço e peito do oponente. Os dois filhos de J., um moço e uma moça, tentaram apartar a briga, mas sem sucesso, ficando com ferimentos nas mãos. Nilton morreu no local e J. fugiu. A Polícia Militar atendeu a ocorrência e a Polícia Civil investiga o caso.
 
De manhã, na mesma terça-feira (26), uma mulher foi espancada na rua Epitácio Pessoa, perto do Cemitério Pax, na região do bairro da Árvore Grande. A acusada foi presa em flagrante pela Polícia Militar. A briga seria motivada por disputa por barracos. A vítima levou socos, chutes e pauladas e foi socorrida por um técnico de Enfermagem, que passava pelo local pouco antes das 7h30. A vítima foi levada para uma empresa, situada na mesma rua, e a agressora a perseguiu, mas foi impedida de prosseguir pelos funcionários. A Polícia Militar foi comunicada e prendeu a agressora, que ainda estava andando pela região. Seus nomes não foram revelados.
 
Já a vendedora Mariana Pereira Ribeiro Coelho, 34 anos, foi esfaqueada até a morte em plena tarde de terça-feira pós-Natal na rua Santa Maria, perto do cruzamento com a rua Cel. Nogueira Padilha, em Vila Hortência. O autor do crime, seu ex-companheiro Júlio Theodoro de Souza, de 33 anos de idade, não aceitava a separação do casal, nem a guarda do filho, que ficou com a mãe. Ele já tinha passagens criminais por agressão e chegou a ser linchado por pessoas que presenciaram o crime e por pouco não foi morto, já que viaturas da Polícia Militar e da Guarda Municipal interviram a tempo. A vítima chegou a ser socorrida, mas não resistiu às facadas que levou. O homem foi levado com ferimentos à Unidade Pré-Hospitalar (UPH) Leste, na própria Cel. Nogueira Padilha. 
 
Souza encontrou a mulher por volta das 13 horas, depois de passar horas rondando o bairro. Juliana estava a caminho do seu trabalho, uma padaria próxima. Eles discutiram e o homem sacou a faca, golpeando Mariana diversas vezes. O assassino foi indiciado por homicídio e preso.
 
O DRAMA DO DIA DE NATAL - No próprio dia de Natal, a segunda-feira, 25 de dezembro, no período da tarde pessoas que estavam na represa de Itupararanga, município de Votorantim, acharam o corpo da jovem Juliana Jovino, 24 anos, boiando em uma de suas margens, como o DIÁRIO também noticiou em sua edição de ontem. A filha da vítima, uma menininha de 2 anos de idade, foi achada horas antes perdida em uma rua do Jardim Novo Eldorado e encaminhada a um abrigo designado pelo Conselho Tutelar. Segundo vizinhos de Juliana, que residia com os pais no Jardim Nova Esperança, a jovem tinha uma boa relação com a filha e era muito atenciosa. O caso foi registrado no 2º Distrito Policial de Votorantim e a Polícia Civil investiga o assassinato.
 
Juliana saiu da casa por volta das 15 horas de domingo (24), para visitar seu companheiro, um dono de bar. Testemunhas dizem que viram a moça dentro do carro do homem.
 
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar