Quinta-Feira, 14 de Dezembro de 2017 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< SOROCABA Comissão de vereadores vai tratar da melhoria do Zoo

Publicada em 29/11/2017 às 19:26
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Arquivo/Fernando Rezende)
O fortalecimento do Parque-Zoológico Municipal “Quinzinho de Barros”, em Vila Hortência, mediante um novo modelo de gestão, foi um dos encaminhamentos da audiência proposta pelo vereador Renan Santos (PCdoB) e presidida por João Donizeti Silvestre (PSDB), realizada na Câmara nesta semana com a galeria lotada e a presença de técnicos, ambientalistas e participantes de outras cidades, como Bauru e São Paulo, justamente para debater a situação do Zoo. Durante a audiência, ficou descartada qualquer proposta de fechamento do Zoológico, como chegou a se comentar nas redes sociais, ficando claro que o propósito era buscar um novo modelo de gestão para o “Quinzinho”.
 
Já na abertura, João Donizeti foi taxativo: “Em nenhum momento se discutiu a possibilidade de fechar o Zoológico. Quero deixar bem claro isso. A questão maior é como vamos gerir o `Quinzinho´, inclusive no sentido humano, dando melhor qualidade de vida para os animais, que também são seres sencientes, só que não podem se expressar”. Renan também explicou que o objetivo era discutir a `precarização do Zoológico´ e não seu fechamento – “uma boataria que precisa ser definitivamente derrubada por terra”. “A estimativa de visitantes do Zoológico em 2018 é de 600 mil visitantes. Cobrando uma média de 5 reais por ingresso, daria R$ 3 milhões. Se o ingresso fosse R$ 10, seriam R$ 6 milhões. O previsto para o Zoo para 2018 é R$ 4,5 milhões”, contabilizou o vereador. 
 
DESPESAS ALTAS – De sua parte, o vereador Hudson Pessini (PMDB), com base em resposta a requerimento de sua autoria, disse que só a alimentação dos animais do Zoológico fica em quase R$ 3 milhões e que, no próximo ano, a previsão é de que esse custo supere os R$ 4,5 milhões previstos no orçamento para o Parque. “Se a alimentação já consome mais que o orçamento, como vamos pagar a limpeza, que custou R$ 673 mil no ano passado; a água, que custou R$ 703 mil; e a energia elétrica, que ficou em R$ 139 mil?” – questionou o Pessini, criticando também a ação dos flanelinhas em frente ao Parque e defendendo que o Zoológico não seja apenas “exposição, vitrine e lazer humano”, mas ofereça algo a mais. 
 
Já o secretário de Meio Ambiente da Prefeitura, Jessé Loures, foi enfático: “Em momento algum, a Secretaria do Meio Ambiente, por determinação do Governo Crespo, teve a pretensão de fechar o Zoológico, essa instituição histórica de Sorocaba”.
 
No final dos trabalhos, Renan Santos anunciou que está sendo formada uma comissão de vereadores para estudar propostas para o Zoológico, inclusive conhecendo modelos de gestão de outras cidades, como o de Bauru.
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar