Quinta-Feira, 14 de Dezembro de 2017 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< SOROCABA IPTU volta às audiências do Orçamento; secretário garante que não terá aumento Debate se dá em torno da aprovação da Planta Genérica de Valores

Publicada em 04/10/2017 às 22:25
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Divulgação)
A Comissão de Economia, Finanças, Orçamento e Parcerias fez ontem a primeira série de audiências públicas para debater o Orçamento do Município para 2018, cuja receita total está estimada em R$ 3,185 bilhões; já o total de despesas é de R$ 2,978 bilhões. Nas apresentações, a cobrança do IPTU gerou debates.
 
Durante as explicações do secretário da Fazenda, Fábio de Castro Martins, o vereador JP Miranda questionou se haverá ou não reflexo na cobrança do IPTU, após a aprovação da correção da Planta Genérica de Valores (PGV), uma vez que a questão está suscitando dúvidas na população. 
 
Ainda sobre a questão, no entender da vereadora Fernanda Garcia, a alteração da PGV trará, sim, impacto no IPTU; já o vereador Luís Santos reforçou ter havido um amplo debate sobre a proposta antes da aprovação do projeto, com reunião da equipe da Fazenda com os vereadores e também audiência pública. 
 
O secretário afirmou que não haverá reajuste do IPTU e subsequentes, mas a recomposição inflacionária, que poderá chegar a 3% no fim do ano. Segundo Martins, qualquer outro reajuste terá de passar pela Câmara. Ainda conforme o titular, a Fazenda vem passando por choque de gestão na questão de arrecadação tributária e de cortes. 
 
Ele disse, ainda, que do montante para o ano que vem, R$ 2,151 bilhões são da Prefeitura e o restante distribuídos da seguinte forma: R$ 339,9 milhões do Saae, R$ 256,1 milhões da Urbes, R$ 500 mil do Parque Tecnológico, R$ 336,4 da Funserv-Previdência e outros R$ 101 milhões da Funserv-Saúde. O total de despesas é de R$ 2,978 bilhões. 
 
Para o orçamento da Fazenda é previsto R$ 118,1 milhões, dos quais 75% são destinados às despesas especiais, como serviço da dívida (R$ 47 milhões) e precatórios judiciais (R$ 18,3 milhões); para pessoal e custeio são R$ 29,2 milhões. 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar