Domingo, 20 de Agosto de 2017 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< ENTRETENIMENTO Filme exalta Serra Gaúcha dos anos 60

Publicada em 02/08/2017 às 19:06
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Divulgação)
CINEMA
 
O passado vem à tona com delicadeza e entusiasmo pela estreia de “O Filme da Minha Vida”, produção nacional que se passa nas serras gaúchas da década de 1960. Com narrativa que acerta ao misturar fragmentos biográficos e atemporais, inusitados e empolgantes, o público é apresentado a uma bela história de amadurecimento.
 
A trama gira em torno de Tony Terranova (Johnny Massaro), jovem que descobre que seu pai (Vincent Cassel) voltou para a França ao sentir saudade da terra natal, sem oferecer quaisquer explicações ao filho. Lidando com a mudança, Tony segue como professor de Francês em uma cidade pequena, mas com sonhos de cidade grande, encontrando em Paco (Selton Mello) a figura paterna de que precisa para descobrir a vida.
 
O conhecido ator Selton Mello comanda a direção do filme. Após as competentes entregas de “Feliz Natal” (2008) e “O Palhaço” (2011), Mello mostra-se cada vez mais lapidado em “O Filme da Minha Vida”. Sua cuidadosa construção de cenários é clássica, permitindo que cada personagem apresentado emocione e convença o espectador.
 
Como protagonista, Johnny Massaro tem sua melhor performance; sua calma brilha intensidade e potencial. Interesse amoroso de Tony, a personagem de Bruna Lizmeyer não decepciona, com todo o foco em seu olhar poderoso que, muitas vezes, faz revelações.
 
A fotografia em tons claros de Walter Carvalho reforça a nostalgia que emana das telas. A trilha sonora com jazz e as aparições de elementos franceses do passado transportam o público para outra época. O filme ultrapassa a barreira comercial, permitindo que o cinema como arte possa ser desfrutado.
 
ADAPTAÇÃO – “O Filme da Minha Vida” é baseado no livro “Um Pai de Cinema”, do chileno Antonio Skármeta. O autor expressou a vontade de que o longa fosse rodado no Brasil e sugeriu que Selton Mello o dirigisse. A adaptação, no entanto, acrescentou pontos de virada para deixar a obra de Skármeta ainda mais emocionante.
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar