Terça-Feira, 24 de Outubro de 2017 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< SAÚDE Radioterapia na Santa Casa continua suspensa Secretaria da Saúde articula volta do serviço através da empresa Nucleon

Publicada em 25/07/2017 às 21:07
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Arquivo/Fernando Rezende)
O tratamento de radioterapia na Santa Casa de Sorocaba ainda não tem previsão de retorno, uma vez que a Prefeitura declarou que a pastilha de cobalto e o equipamento doados para a entidade têm “tecnologia ultrapassada”.
 
A verificação sobre as condições do equipamento foi feita no início de maio, logo após a requisição do hospital por parte da Prefeitura, em 24 de abril. O equipamento doado tem mais de 30 anos de uso e a pastilha doada tem oito anos de uso; embora ainda com vida útil, são antiquados, de acordo com a Prefeitura.
 
“Os componentes estão vinculados a responsáveis técnicos da empresa que os doou e essa empresa não possui cadastro junto à Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) nem licença da Vigilância Sanitária para operar serviço de radioterapia na cidade”, complementa.
 
A Prefeitura garante que não há pacientes sem atendimento, uma vez que foram encaminhados para outras cidades. Informa, também, que não tem intenção de adquirir a pastilha e o equipamento próprios.
 
POSSÍVEL SOLUÇÃO – A empresa Nucleon fechou contrato com o Município em 9 de junho para retomar o serviço de radioterapia, mas este ainda não foi feito por conta da presença da pastilha de cobalto doada nas dependências da Santa Casa; não podem haver duas fontes radioativas no local.
 
Ainda não há data definida para retirada da pastilha, mas Prefeitura afirma estar buscando uma solução técnica e logística. Enquanto isso, o contrato com a Nucleon permanece válido, e a Secretaria da Saúde diz já ter feito gestões para que a empresa possa dar início aos atendimentos em sua sede própria, no Jardim Vergueiro.
 
“Para que isso seja autorizado, foi solicitado aos órgãos competentes uma alteração de credenciamento do serviço – atualmente autorizado apenas para realização nas dependências da Santa Casa – para a unidade externa da empresa contratada. Aguarda-se no momento uma definição deste pedido”, esclarece a pasta.
 
O contrato com a Nucleon é para o atendimento de 60 pacientes.
 
CASAMATA – Em junho de 2016, a Santa Casa e o Ministério da Saúde reuniram-se para a construção da casamata, que abrigaria um acelerador linear. O equipamento evitaria a dependência do material radioativo para os tratamentos na entidade. No entanto, o prazo inicial de 180 dias para entrega da obra expirou no início do ano.
 
A Prefeitura explicou que a construção da casamata está sendo realizada por meio de um contrato entre o Ministério da Saúde e uma construtora e “está dentro do cronograma conhecido para a obra”.
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar