Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2017 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< BRASIL Condenação de Lula é tentativa de inviabilizar candidatura em 2018, diz Gleisi

Publicada em 12/07/2017 às 18:51
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: ABr)
Em discurso na tribuna do Senado, a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), disse nesta quarta-feira (12) que a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é “política”, “sem provas” e tem o objetivo de inviabilizar a candidatura do líder petista à presidência da República em 2018.
 
“Como o Lula pode ser dono de um tríplex se não tem o registro de imóveis no nome dele? Como o Lula pode ser dono de um tríplex que não tem sequer a vontade de ele comprar documentada? Não tem provas de que esse apartamento é do Lula”, criticou Gleisi.
 
Além dos 9 anos e meio de prisão, a sentença de Moro proíbe Lula de exercer cargo ou função pública por 19 anos. “Se vocês querem tirar o Lula da vida política, sejam decentes, sejam corajosos, lancem um candidato e disputem nas urnas”, discursou.
 
Gleisi fez ainda críticas ao juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da “Lava-Jato” na primeira instância. Para ela, a decisão de Moro de condenar Lula é uma “prestação de contas” do magistrado aos meios de comunicação e com a opinião pública.
 
“Juiz Sérgio Moro dê exemplo ao Brasil, não faça isso. É feio. Todo mundo está vendo que é uma decisão política, uma decisão baseada em convicção, baseada para justificar a sua posição reiterada de convencimento da opinião pública de que Lula era chefe de quadrilha”, disse a senadora.
 
Segundo a presidente do PT, os movimentos sociais se mobilizarão para defender a inocência do ex-presidente e será organizado um ato amanhã (13) com Lula em defesa do petista.
 
Partido
 
Uma nota assinada pela direção nacional do partido também criticou a decisão de Moro e defendeu que Lula é vítima de perseguição. "Lula não está acima da lei, tampouco abaixo dela. O que ocorre é um processo de perseguição que se constitui em uma aberração constitucional; um caso típico de lawfare, em que se utilizam recursos jurídicos indevidos como fim de perseguição política".
 
O texto diz ainda que manterá a "defesa intransigente a Lula, por acreditar em sua absoluta inocência". "Hoje, mais do que nunca, nos solidarizamos com Lula, e com seus filhos e netos".
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar