Quarta-Feira, 22 de Novembro de 2017 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< SOROCABA Urbes vai pedir ilegalidade da greve de ônibus Alguns bairros, como Brigadeiro Tobias, Nilton Torres e Caputera, estão sem ônibus há dias; Sindicato diz cumprir o que determina liminar do TRT

Publicada em 11/07/2017 às 14:10
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Germano Schonfelder)
A Urbes – Trânsito e Transportes entrará ainda nesta terça-feira (11) com mais uma petição no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 15ª Região para comunicar  descumprimento da liminar por parte do Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região e pedir pela aplicação de todas as sanções e pela decretação da ilegalidade da greve de ônibus na cidade.
 
Na madrugada desta terça-feira, segundo a Urbes, o sindicato impediu a entrada dos motoristas na garagem da Consor e, por consequência, nenhum ônibus da empresa circulou no horário de pico desta manhã, prejudicando milhares de usuários, principalmente aqueles que se utilizam das linhas da zona norte. A empresa registrou boletim de ocorrência com a Polícia Militar (PM).
 
O fato ocorreu porque as duas empresas concessionárias (Consor e STU) exigiram o cumprimento da programação das tabelas das linhas de ônibus da Urbes, sem a interferência do sindicato. Na STU, a programação foi cumprida. Já os ônibus da Consor só começaram a sair da garagem com a escala programada a partir das 8h48. Toda esta ação ocorreu de forma integrada, com apoio da PM e da Guarda Civil Municipal (GCM).
 
Ainda segundo a empresa pública, desde o início da paralisação, o Sindicato não vem cumprindo a tabela de ônibus programada pela Urbes, ou seja, estão liberando sem critério algum quantos veículos vão atender a determinadas linhas do sistema. Com isso, alguns bairros da cidade, como Brigadeiro Tobias, Nilton Torres e Caputera, estão sem ônibus há dias. As empresas estão sendo autuadas pela Urbes.
 
Na petição, a Urbes também cita a prática irregular de motoristas que permanecem estacionados com ônibus em pontos finais por mais tempo do que o previsto, deixando de executar os horários das linhas, e depois saem em comboios, enquanto a população aguarda, muitas vezes por horas, em pontos e nos terminais urbanos.
 
No entanto o Sindicato já informou estar cumprindo a determinação do TRT, de manter 70% da frota em circulação nos horários de pico e 50% nos demais horários. Disse também que a empresa Consor não permitiu a entrada dos motoristas hoje pela manhã. "A empresa não deixou o Sindicato acompanhar a escala dos ônibus nesta madrugada, como vinha acontecendo todos esses dias de greve."
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar