Quinta-Feira, 29 de Junho de 2017 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

<< SOROCABA Jovem enfrenta queda de cabelos com bom humor Aline Trevisan é palhaço voluntário em hospital de Cerquilho

Publicada em 19/06/2017 às 11:51
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Divulgação)
FIOS DE ESPERANÇA
 
Ao ler e assistir reportagens sobre pessoas que cortavam os cabelos para doá-los a quem faz tratamentos de quimioterapia, a costureira Aline Trevisan, 33 anos, nutria a vontade de fazer a mesma boa ação. Há dois anos, com os fios em comprimento abaixo dos ombros, passou a tesoura e entregou as mechas para uma cabeleireira que os levou para São Paulo.
 
Mas, em uma ironia do destino, Aline encontrou-se do outro lado da história. Em março, descobriu estar com câncer; na próxima quinta-feira (22) verá os resultados finais de seus exames para, então, poder começar o tratamento. Os cabelos da jovem, porém, já estavam fracos há alguns meses. “A queda ficou bem pior quando descobri o câncer, acho que por nervosismo”, conta. Diante da situação, ela não teve dúvidas sobre o que fazer: “Como foi ficando bem ralo, resolvi raspar para não ver cair. Como diz aquele ditado, ‘o que os olhos não veem, o coração não sente’”.
 
Aline diz que, quando descobriu a doença, passou por um momento delicado de pouco sono e má alimentação. “Acho que assusta qualquer um. Mas raspei e fiz até um vídeo, uma live (transmissão ao vivo) no Facebook”, lembra. “Foi um alívio, me senti bem melhor”, reconhece.
 
O vídeo de quase meia hora em que Aline conversa tranquilamente, enquanto elimina os fios da cabeça, teve muitos acessos de amigos e familiares, que deram apoio durante o processo. “Resolvi fazer isso para mostrar que não é tão ruim ficar careca. Acho que a sociedade exige e julga muito. Temos que nos sentir bem e, se ficar careca me faz sentir assim, vou ficar”.
 
A jovem não optou por usar peruca pois se sentiu bem aderindo a lenços e toucas. “É bem mais prático assim”, brinca. “Mas acho bem importante a doação de cabelo, porque peruca é muito cara e tem mulheres que não conseguem ficar careca. Para mim, é indiferente, mas sei que, aonde vou, muitos ficam olhando”.
 
Sem apego aos cabelos, Aline incentiva a doação: “É bom ajudar as pessoas; me senti feliz”, declara. Agora, no aguardo pelo próprio tratamento, ela espera não perder a alegria e otimismo: “Tenho que passar por tudo isso e tenho que vencer essa doença. Então, que seja sorrindo; pelo menos passa mais leve”!
 
CORAÇÃO GRANDE – A adesão à organização não-governamental (ONG) Hospitalhaços há três anos reitera a vontade de Aline em fazer o bem às pessoas. Todos os sábados à tarde, a equipe veste-se de palhaço e vai até a Santa Casa de Misericórdia do município de Cerquilho.
 
“Passamos em todos os lugares, desde a maternidade até a recepção”, explica Aline. “Trabalhamos com humanização dos pacientes e até dos médicos”, acrescenta, acreditando que as ações do grupo a ajudaram a manter a calma desde a descoberta de sua doença e sabe que é a sensação que os outros também têm com a Hospitalhaços. “Para mim, é gratificante fazer as pessoas sorrirem em situação de dor. É mágico”.
 

Campanha Fio Generoso supera expectativas

A campanha “Fio Generoso” arrecadou 1.340 mechas de cabelo no Estado de São Paulo, sendo que ainda há cerca de 300 para serem catalogadas e encaminhadas para a Associação das Voluntárias do Hospital das Clínicas de São Paulo (AVOHC).

O Poupatempo Sorocaba recebeu sete cortes de cabelo, segundo a instituição. Um deles emocionou os colaboradores da unidade, pois era de uma criança que esteve doente, e a mãe havia prometido cortar o cabelo da menina somente quando ela superasse a enfermidade, o que aconteceu este ano. A família pediu para não ser identificada.

Com divulgação a partir de 31 de março e previsão inicial de durar até setembro, a Campanha foi considerada um sucesso pela instituição. “Graças à solidariedade dos usuários do Poupatempo, as doações foram tantas que a Campanha foi encerrada um mês depois”, informou a instituição em nota.

A iniciativa foi desenvolvida pelos postos Poupatempo e pela Prodesp – Tecnologia da Informação, empresa do Governo de São Paulo. Já a AVOHC é a responsável pelo encaminhamento das doações para a confecção das perucas destinadas às pessoas em tratamento quimioterápico.

 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar